O PENSAMENTO DECOLONIAL NO ENFRENTAMENTO DO RACISMO:

Por uma educação intercultural, justa e igualitária

Autores

Palavras-chave:

Pensamento decolonial. Racismo. Educação antirracista.

Resumo

O pensamento decolonial surgiu como uma referência de compreensão do mundo e de suas complexidades, através de uma reflexão e de um diálogo críticos em contraposição à ideologia eurocêntrica implantada na sociedade. Nessa perspectiva, este artigo tem por objetivo discutir a importância do pensamento decolonial no enfrentamento do racismo, o processo de historicidade que fundamenta tal prática, sua presença no ambiente escolar, a implementação de leis que deram subsídios para o desenvolvimento de ações e práticas antirracistas na escola. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica que se embasou em várias literaturas que tratavam da temática, buscando assim explicitar todo o contexto sociocultural que permeia as relações desenvolvidas na sociedade em torno da situação do racismo e das marcas deixadas por estes atos na vida daqueles que sofreram com esta prática cruel. O estudo conclui que há a necessidade de desenvolver uma educação antirracista onde a escola seja o território para o desenvolvimento de práticas pedagógicas voltadas para a construção de novas identidades, num processo de diálogo entre alunos, professores e toda a comunidade escolar.

Biografia do Autor

Márcia Cristina de Castro Cardoso dos Reis, Universidade Federal do Pará

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal do Pará - UFPA (1997). Atuou em caráter temporário como contratada pela Fundação Papa João XXIII no Projeto de revisão do Benefício de Prestação Continuada (BPC) com ênfase em visitas domiciliares. Trabalhou como pesquisadora em equipe multiprofissional. Tem experiência com palestras, reuniões, ações socioeducativas, visitas domiciliares, entre outros. Desenvolveu ações socioeducativas em uma escola pública estadual. Atualmente é discente da Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Infância e Filosofia - GEPEIF/UFPA/CNPq

Referências

ARROYO, Miguel Gonzales. Outros sujeitos, outras pedagogias. 2ª ed. Petrópolis–RJ: Vozes, 2014.

BERND, Zilá. Racismo e anti-racismo. São Paulo: Moderna, 1994.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 45ª ed. Brasília. DF: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2015.

________. Lei nº 10.639/2003 de 09 de janeiro de 2003. Disponível em:https://www.planalto.gov.br/ccivil-03 LEIS/2003 L10.639.htm. Acesso em: 14 de abr.2020.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬________. Lei n° 11.645/2008, de 10 de março de 2008. Disponível em:https://www.planalto.gov.br.ccivil_03/_ato2007-2010/2008lei/l11645.htm.Acesso em: 15 de abr.2020.

________. Parecer 03/2004 do Conselho Pleno Nacional de Educação. Brasília: MEC, 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/cnep-003.pdf. Acesso em 31 de mai. 2020.

CAVALLEIRO, Eliane. Educação anti-racista: compromisso indispensável para um mundo melhor. In: __________. Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo; Selo Negro, 2001.

FIGUEIREDO, Ângela. Descolonização do conhecimento no século XXI. In: SANTIAGO, Ana Rita... [ET AL]. Descolonização do conhecimento no contexto Afro-brasileiro. Cruz das Almas/BA: UFRB, 2017, p. 79-106.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES. Nilma Lino. Educação e relações raciais: refletindo sobre algumas estratégias de atuação. In: MUNANGA. Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2ª ed. Revisada. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. 2005, p. 143 – 154.

MALDONADO–TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO–GOMES, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). El giro decolonial: reflexiones para uma diversidade epistémica más alládel capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre, 2007, p. 127 – 167.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MOTA NETO, João Colares. Por uma Pedagogia Decolonial na América Latina: reflexões em torno do pensamento de Paulo Freire e Orlando Fals Borda. Curitiba: CRV, 2016.

MOURA, Glória. O direito à diferença. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2ª ed. Revisada. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. 2005, p. 69 – 82.

MUNANGA, Kabengele. Raízes científicas no mito do negro e do racismo ocidental. Temas IMESC, Soc. Dir. Saúde, São Paulo, 1984.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Eduardo (Org.). A colonialidade do saber: eucentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005 b. p. 107 – 130.

ROSEMBERG, Fúlvia. Literatura infantil e ideologia. São Paulo: Global Editora, 1985.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Aprendizagem e ensino das africanidades brasileiras. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. 2ª ed. Revisada. Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. 2005, p. 155 – 172.

WALSH, Catherine. Interculturalidade crítica e Pedagogia Decolonial: in-surgir, ressurgir e reviver. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Educação Intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de Janeiro: Sete Letras, 2009, p. 12 – 42.

Downloads

Publicado

17/11/2021

Como Citar

de Castro Cardoso dos Reis, M. C. (2021). O PENSAMENTO DECOLONIAL NO ENFRENTAMENTO DO RACISMO: : Por uma educação intercultural, justa e igualitária. REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E LINGUAGEM, 5(11). Recuperado de https://periodicosonline.uems.br/index.php/educacaoculturalinguagem/article/view/6337