Mnemosyne na escola: ensaio acerca do uso de documentos imagéticos no ensino de história

Visualizações: 795

Autores

  • Jorge Victor de Araújo Souza Universidade Federal do Rio de Janeiro - Instituto de História

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v9i27.2392

Palavras-chave:

Educação, ensino de história, Imagens

Resumo

Fruto de reflexões de um curso de extensão voltado aos docentes de história, este ensaio é uma reflexão sobre usos de imagens em sala de aula do Ensino Médio. Defende-se que os usos das imagens são essenciais ao processo de aprendizagem da disciplina, sendo um excelente recurso quando tratadas como documentos históricos e não apenas como ilustração de um evento. Este texto não se limita aos usos do livro didático e recorre a um espectro bem amplo de corpus imagético. Como conclusão, foi realizada uma proposta de atividade, com algumas sugestões de possibilidades e diálogo com importantes contribuições historiográficas sobre o tema, sobretudo com Aby Warburg e seus estudiosos. 

Referências

ALBERTI, Leon Batista. Da pintura. In: LICHTENSTEIN, Jacqueline. A pintura – Textos essenciais. vol. 6: A figura humana. São Paulo: Editora 34, 2008.

ARAÚJO SOUZA, Jorge Victor de; BORGES, Silvia Barbosa Guimarães. Espelho da fé. Revista de História da Biblioteca Nacional, ano 2, Nº 13. p. 62-67. Rio de Janeiro: Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional, Out. 2006.

ARRUDA, Eucidio Pimenta. Aprender história com jogos digitais em rede: possibilidades e desafios para os professores. In: MAGALHÃES, Marcelo; ROCHA, Helenice; RIBEIRO, Jayme Fernandes; CIAMBARELLA, Alessandra (Orgs.). Ensino de História: usos do passado, memória e mídia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014. p. 239-254.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

BAXANDALL, Michael. Padrões de intenção. A explicação histórica dos quadros. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

BICCA, Angela Dilmann Nunes; CUNHA, Ana Paula de Araújo et alli. Identidades Nerd/Geek na web: um estudo sobre pedagogias e culturas juvenis. Conjectura. Filos. Educ, Caxias do Sul, v. 18, nº1, p. 87-104, jan/abr. 2013.

BITTENCOURT, Circe. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1998.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico ... v. 4. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712 - 1728.

BUENO, João Baptista Gonçalves; PINTO JUNIOR, Arnaldo; GUIMARÃES, Maria de Fátima. Livros didáticos de História: Entrecruzando leituras de imagens e orientações editoriais. Tempo e Argumento. Revista do Programa de Pós-graduação em História. Florianópolis, v.4, n.2, p. 24-45. jul/dez. 2012.

BURKE, Peter. A fabricação do Rei. A construção da imagem pública de Luís XIV. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

BUSTAMANTE, Regina Maria da Cunha. Uma imagem vale mais que mil palavras! in: MONTEIRO, Marcelo de Souza; MONTEIRO, Ana Maria; GASPARELLO, Arlette Medeiros (Orgs.). Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro. Maud X, 2007. p. 239-250.

CAIMI, Flávia Eloisa. Geração homo zappiens na escola: os novos suportes de informação e a aprendizagem histórica. p.165-183. In: MAGALHÃES, Marcelo; ROCHA, Helenice; RIBEIRO, Jayme Fernandes; CIAMBARELLA, Alessandra (Orgs.). Ensino de história: usos do passado, memória e mídia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014. p. 165-183.

CONDURU, Roberto. Pérolas negras – Primeiros fios: Experiências artísticas e culturais nos fluxos entre África e Brasil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013.

COSTA, Warley. Olhares sobre as imagens da escravidão africana. Dos pintores viajantes aos livros didáticos de história do ensino fundamental. Acervo. Rio de Janeiro, v. 18, nº1-2, p. 147-160. jan/dez 2005.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente. história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais: Morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GRUZINSKI, Serge. O historiador, o macaco e a centaura: a “história cultural” no novo milênio. Estudos Avançados. São Paulo, vol.17 no. 49. p. 321-342. sept./dec. 2003.

Guia de livros didáticos: PNLD 2015: história: ensino médio. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2014.

Guia de livros didáticos: PNLD 2018: história: ensino médio. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2017.

HILL, Christopher. O mundo de ponta-cabeça: Idéias radicais durante a Revolução Inglesa de 1640. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

HOWART, David. Images of Rule. Art and politics in the English Renaissance, 1485-1649. California: University of California Press, 1997.

LEVI STRAUSS, David. Sob controle. In: ZUM – Revista de fotografia. vol. 9. p. 74-89. Rio de Janeiro: Editora do IMS, out. 2015.

MAUAD, Ana Maria. Poses e flagrantes. Ensaios sobre histórias e fotografias. Niterói: EDUFF, 2008.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual. Balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História. São Paulo, v.23, n°45, p. 11-36. 2003.

MOIMAZ, Érica Ramos. O uso da imagem no ensino médio: uma avaliação sobre essa contribuição para a aprendizagem dos conteúdos em história. Dissertação de mestrado, Londrina, 2009.

MOLINA, Ana Heloisa. Ensino de História e imagens: possibilidades de pesquisa. Domínios da Imagem, Londrina, v.1, nº1, Nov. 2007.

MONTEIRO, Ana Maria. Ensino de História: das dificuldades e possibilidades de um fazer. ACCESS, 2001, p. 18-19.

MOSÉ, Viviane (Org.). A escola e os desafios contemporâneos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

PÔRTO, Ângela; PONTE, Carlos Fidelis. Vacinas e campanhas: as imagens de uma história a ser contada. Hist. cienc. saude-Manguinhos. Rio de Janeiro, vol.10, suppl.2, p.725-742. 2003.

QUADRAT, Samantha Viz. O Pasquim na sala de aula. In: SILVA, Francisco Carlos Teixeira. História e Imagem. Rio de Janeiro: UFRJ, 1998. p. 357-363.

RANCIÈRE, Jacques. O destino das imagens. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SAHLINS, Marshall. História e Cultura: apologia a tucídides. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

SANTOS, Eduardo Natalino. Deuses do México Indígena. São Paulo: Palas Athena, 2002.

SCHWARCZ, Lilia M. Lendo e agenciando imagens: o rei, a natureza e seus belos naturais. Sociologia e antropologia. Rio de Janeiro, v.04, nº02, p. 391-423, julho-dezembro, 2014.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes. A escola em tempos de dispersão. Rio de janeiro: Contraponto: 2012.

SILVA, Edlene Oliveira. Relações entre imagens e textos no ensino de história. SAECULUM – Revista de História, João Pessoa, nº. 22, p. 173-188, jan./jun. 2010.

SIMAN, Lana Mara de Castro; FONSECA, Thais Nivia de Lima e (Orgs.). Inaugurando a história e construindo a nação – Discursos e imagens no ensino de história. Autêntica, 2007.

TEIXEIRA, Felipe Charbel. Aby warburg e a pós-vida das Pathosformeln antigas. História da historiografia, Mariana, nº5, p. 134-147. set. 2010.

WAIZBORT, Leopoldo. Apresentação. In: WARBURG, Aby. Histórias de fantasmas para gente grande. escritos, esboços e conferências. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

WARBURG, Aby. Renovação da Antiguidade pagã: Contribuições científico-culturais para a história do Renascimento europeu. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2013.

WARBURG, Aby. Histórias de fantasmas para gente grande. escritos, esboços e conferências. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

WIND, Edgar. A eloquência dos símbolos. Estudos sobre arte humanista. São Paulo: EDUSP, 1997.

Downloads

Publicado

20-12-2018

Como Citar

de Araújo Souza, J. V. (2018). Mnemosyne na escola: ensaio acerca do uso de documentos imagéticos no ensino de história. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 9(27), 184–210. https://doi.org/10.26514/inter.v9i27.2392