A leitura de textos de divulgação científica na constituição de professores de química

Visualizações: 992

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v9i27.2477

Palavras-chave:

Formação Inicial, Linguagem Química, Leitura Interativa

Resumo

O presente ensaio consiste num diálogo sobre a inserção da leitura de Textos de Divulgação Científica na formação inicial de professores de Química. A prática da leitura ocorre num grupo de estudos com encontros mensais que são sistematicamente acompanhados. A argumentação aponta a apropriação da linguagem química como condição inicial para a formação do pensamento químico. E, num diálogo com Vigotski (2000), Leontiev (1978) e Bakthin (2006) compreende-se a linguagem como constitutiva do sujeito, apresenta-se a importância do uso de diferentes estratégias para a leitura e reforça-se o posicionamento do leitor frente ao texto. Os resultados apresentam os modos de organização das práticas de leitura vivenciadas no grupo e, alguns aspectos apontados pelos participantes, que possibilitam visualizar a prática da leitura de Textos de Divulgação Científica como um espaço que qualifica tanto o uso da linguagem química como a constituição de professores leitores. Por fim, ressalta-se a importância da propagação da leitura como recurso potencial, a ser utilizado em sala de aula, contribuindo na formação de sujeitos capazes de se posicionar de forma mais qualificada frente às informações e acontecimentos.

Referências

BARBOSA, J. G.; HESS, R. O diário de pesquisa: o estudante universitário e seu processo formativo. Brasília: Liberlivro, 2010, 103p.

BAKHTIN, M. M., Estética da Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra. 5. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010, 476p.

________________ (Volochinov). Marxismo e Filosofia da Linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006, 201p.

CUNHA, M. B. da; GIORDAN, M. A Divulgação Científica na sala de aula: Implicações de um Gênero. In: ______________ (Orgs). Divulgação Científica na sala de aula: Perspectivas e Possibilidades. Ijuí: Ed. Unijuí, 2015, 67 – 86.

FLÔR, C. C. Na busca de ler para ser em aulas de Química. Ijuí: Editora Unijuí, 2015, 208 p.

FERREIRA L. N. de A.; QUEIROZ, S. L. Características discursivas de artigos de divulgação científica relacionados à química. In: Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias v. 11, n. 1, p. 21-42, 2012.

________________________. Utilização de Textos de Divulgação Científica em Salas de Aula de Química. In: CUNHA, M. B., GIORDAN, M. (Orgs). Divulgação Científica na sala de aula: Perspectivas e Possibilidades. Ijuí: Ed. Unijuí, 2015, 131 – 159.

GERALDI, João Wanderley. Ancoragens – Estudos bakthinianos. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010. 176p.

GOUVÊA, G. A Divulgação da Ciência da Técnica e da Cidadania em Sala de Aula In: CUNHA, M. B., GIORDAN, M. (Orgs). Divulgação Científica na sala de aula: Perspectivas e Possibilidades. Ijuí: Ed. Unijuí, 2015, 13 – 42.

JUNIOR, J. G. T.; SILVA, R. M. G da. Perfil de Leitores em um Curso de Licenciatura em Química. In: Química Nova, v. 30, n. 5, p. 1365-1368, 2007.

LARROSA, J. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga Neto, 5 ed., Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2015. 208 p.

LEONTIEV, A. N. O Desenvolvimento do Psiquismo. Trad. M. D. Duarte, Lisboa, Livrso Horizonte, 1978, 354p.

______________. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In. VIGOTSKI, L. S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem, trad. Maria da Penha Villalobos, 10. ed. São Paulo: Ícone, 2006, p.59 – 83.

MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. 4. ed., Ijuí, Unijui, 2001, 168 p.

MORAES, R. O significado do aprender: linguagem e pesquisa na reconstrução de conhecimentos. Revista Conjectura, Caxias do Sul, v. 15, n. 1, p. 135-150, jan./abr., 2010.

SACKS, O. Tio Tungstênio: Memórias de uma Infância Química. Companhia das Letras: São Paulo, 2002, p.334.

SCHWARCZ, J. Barbies, Bambolês e Bolas de Bilhar: 67 deliciosos comentários sobre a fascinante Química do dia a dia. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

SOLÉ, I. Estratégias de Leitura. 6 ed. Porto Alegre: Penso, 1998. 194 p.

VIGOTSKI, L. S. A Construção do Pensamento e da Linguagem. Trad. Paulo Bezerra, 1 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000, 296 p.

AUTORA . ____________________________.

AUTORA.; OUTRO. _______________________.

Downloads

Publicado

20-12-2018

Como Citar

Scherer Wenzel, J. (2018). A leitura de textos de divulgação científica na constituição de professores de química. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 9(27), 232–252. https://doi.org/10.26514/inter.v9i27.2477