Juventudes e produção de subjetividades no contexto de acumulação flexível do capital

Visualizações: 692

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v9i27.2505

Palavras-chave:

Acumulação flexível. Subjetividade. Jovens

Resumo

Este texto visa a refletir os modos de perceber, sentir e estar no mundo, assim como os sentidos e percepções que os estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA) na etapa do Ensino Médio, moradores das favelas da Rocinha, Jacarezinho e Manguinhos, imprime a participação política e a relação trabalho e educação no atual contexto de desemprego estrutural e de crescimento das relações de trabalho flexíveis e precarizadas. Trata-se de reflexões preliminares da pesquisa qualitativa, ainda em andamento, que tem o Materialismo Histórico Dialético como matriz teórica e metodológica. Os dados das entrevistas de roteiros semi-estruturados, aplicados até o momento a 32 estudantes de duas escolas da rede estadual de educação do Rio de Janeiro, na faixa etária de 18 a 29 anos de idade, e a realização de dois grupos focais, indicam que o individualismo, o imediatismo, a incerteza, o consumismo e o ceticismo em relação à política institucionalizada são uma construção histórico-cultural; subjetividades produzidas no conjunto das mudanças efetuadas no Brasil, em decorrência do regime de acumulação flexível do capital e da política neoliberal, adotada ao longo a década de 1990 e retomada no atual governo de Michel Temer.

Biografia do Autor

CARLOS SOARES BARBOSA, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Doutor em Políticas Públicas e Formação Humana (UERJ). Professor Adjunto da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – Campus Maracanã. Pesquisador das áreas de Trabalho e Educação e Educação de Jovens e Adultos

Referências

ABRAMO, H. W. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação. São Paulo, n 5-6, p. 25-36, 1997.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2003.

BARBOSA, C. S. Nova sociabilidade do capital e a natureza das políticas para jovens trabalhadores no governo Lula: uma análise da “participação cidadã” no Projovem Urbano. 2013, 209 p. Tese (Doutorado em Políticas Públicas e Formação Humana). Rio de Janeiro. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2013.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. 2 ed.Rio de Janeiro: FGV, 1999.

FONTES, V. Reflexões im-pertinentes: história e capitalismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Bom Texto, 2005.

FRIGOTTO, G. Brasil e a política econômico-social: entre o medo e a esperança. Revista Observatório social de América Latina. CLACSO, Buenos Aires, nº 14, maio-ago., p. 95-104, 2005.

GENTILI, P. Educar para o desemprego. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Educação e crise do trabalho: perspectiva de final de século. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998, p. 76-91.

GRAMSCI, A. Os Intelectuais Orgânicos e a Organização da Cultura. 9ª ed., Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

HARVEY, D. Espaços de Esperança. São Paulo: Loyola, 2004.

HARVEY, D. A condição pós-moderna. 4 ed. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

INSTITUTO CIDADANIA. Projeto Juventude: documento de conclusão. São Paulo, 2004.

LENOIR, R. Objeto sociológico e problema social. In: PATICK, C. et al., Iniciação à Prática Sociológica, Petrópolis: Vozes, 1996, pp. 59-106 2...

MANCEBO, D. Contemporaneidade e efeitos de subjetivação. In: BOCK, A. M. M. B. (Org.). Psicologia e o compromisso social. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2009, p. 75-92.

MARX, K; ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

MARGULIS, M. e URRESTI, M. Juventude es más que uma palavra: ensaios sobre cultura e juventud. Buenos Aires: Biblos, 1996.

MATTOS, M. B. Reorganizando em meio ao refluxo: esforços organizativos e reposicionamentos entre movimentos políticos e sociais dos trabalhadores durante o governo Lula. In: XXVIII INTERNATIONAL CONGRESS OF THE LATIN AMERICAN STUDIES ASSOCIATION (LASA), Anais, Rio de Janeiro, 2009.

NOVAES, R. Nada será como antes: notícias das juventudes sul-americanas. Observatório da Cidadania, 2007. Disponível em http://www.ibase.br/userimages.br/nada.pdf. Acesso em 25/08/2013.

NOVAES, R.; VITAL, C. A juventude de hoje: (re)invenções da participação social. In: THOMPSON, A. A. (Org.). Associando-se a juventude para construir o futuro. São Paulo: Peirópolis Editora, 2005

POCHMANN, M. A batalha pelo primeiro emprego: as perspectivas e a situação atual do jovem no mercado de trabalho brasileiro. São Paulo: Publisher Brasil, 2000.

SENNET, R. A Corrosão do Caráter. São Paulo: Cortez, 2001.

SEVCENKO, N. A corrida para o século XXI: no loop da montanha-russa. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

SPOSITO, M. Trajetórias na constituição de políticas públicas no Brasil. In: FREITAS, M.V.; PAPA, F. de C. (Org.). Políticas públicas: juventude em pauta. São Paulo, Cortez, 2003.

Downloads

Publicado

20-12-2018

Como Citar

BARBOSA, C. S. (2018). Juventudes e produção de subjetividades no contexto de acumulação flexível do capital. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 9(27), 274–293. https://doi.org/10.26514/inter.v9i27.2505