O crescimento do discurso religioso ultraconservador e sua influência nas políticas de educação no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.4362

Palavras-chave:

, Religião, Educação, Ultra Liberalismo, Políticas Públicas

Resumo

O artigo debate o crescimento do número de evangélicos no Brasil e na América Latina apontando suas repercusões nas políticas públicas e suas crescente influência na Educação latino americana, especialemente após a eleição presidencial de 2018 no Brasil.  Destacamos que a ideologia política neopentecostal parece ajustar-se às reformas ultraliberais formulada pelas políticas da chamada Escola de Chicago inclui privatizações, desregulamentação ambiental, flexibilização dos direitos trabalhistas e a terceirização de serviços públicos, aprofundando a ideia do Estado como “prestador de serviços”, abandonando-se por gradualmente preocupações sociais, ambientais e políticas inclusivas, inclusive na educação.

Biografia do Autor

Walace Roza Pinel, UnB - Doutorando em Educação

Mestre e Doutorando em Educação pela Universidade de Brasília na linha de pesquisa em Políticas Públicas e Gestão da Educação. Atualmente professor de Educação Básica na Secretaria de Estado de Educação do DF. Especialista em Psicopedagogia e Licenciado em Pedagogia. Pesquisador do Grupo de Pesquisas (CAPES/CNPq) Consciência e Pós-Populares - Democratização do Acesso à Universidade Pública pelo Chão da Pesquisa (FE/UnB). Foi professor EBTT no Instituto Federal de Goias em 2018. Foi bolsista CAPES/CNPq no Proeja-Transiarte em 2016 junto ao IFB - São Sebastião. Professor Tutor em EaD no IFB nos anos de 2017 e 2018 atuando junto ao PRONATEC; Professor Tutor na UniLasalle do curso de Pedagogia em 2018. Professor nos cursos de Pedagogia, Administração na FASOL em 2019. Tem experiência em: EaD; Educação Profissional; Educação de Jovens e Adultos; Educação em Prisões; Educação Popular; Materialismo Histórico Dialético; Metodologia da Pesquisa; Educação e Trabalho; e Educação em Direitos Humanos.

 

Erlando da silva Reses, Professor Associado - UnB PPGE/FE/UnB

Professor Associado da Faculdade de Educação (FE) da Universidade de Brasília (UnB) e Docente do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE). Pós-doutorando na Universidade de Londres (SOAS-Faculdade de Estudos Orientais e Africanos) e Doutor em Sociologia com pesquisa na área de Sociologia do Trabalho e da Educação. Mestre em Sociologia com pesquisa na área de Sociologia no Ensino Médio. Bacharel em Sociologia com estudo na área de Sociologia Política e Licenciado em Ciências Sociais, todos os títulos pela Universidade de Brasília (UnB).Foi professor de Sociologia na Educação Básica na Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEDF). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Materialismo Histórico-Dialético e Educação (CONSCIÊNCIA). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho (GEPT) do Instituto de Ciências Sociais (ICS)/Departamento de Sociologia da UnB. Coordenador de Programas de Extensão de Democratização do Acesso à Educação Superior: FORMANCIPA (Formação Integrada e Emancipadora de Acesso à Educação Superior) e Pós-Populares - Democratização do Acesso à Universidade Pública pelo Chão da Pesquisa. Coordenador de Projeto de Extensão sobre Democratização do Acesso ao Livro e a Leitura (LeiA - Leitura e Ação Lúdico-Pedagógica com Crianças). Coordenador de Programa de Extensão sobre Preservação da Memória da Educação de Jovens e Adultos (Centro de Memória Viva - Documentação e Referência em Educação de Jovens e Adultos, Educação Popular e Movimentos Sociais do DF). Tem experiência na área de Sociologia; Políticas Públicas de Educação; Currículo; Epistemologias; Formação de Professores; Educação de Jovens e Adultos; Educação Popular; Ensino de Sociologia; Ensino Médio; Metodologia da Pesquisa; Educação em Direitos Humanos, Educação em Prisões, Gênero, Raça e Classe.

Referências

ALENCAR, Gedeon. Protestantismo Tupiniquim, hipóteses sobre a (não) contribuição evangélica à cultura brasileira. São Paulo: Arte Editorial. 2005

BRASIL, CENSO 2010, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em:< http://www.censo2010.ibge.gov.br>. Acesso em 06/01/2020; v. 23, 2010.

BISPO, Antônio. Colonização, Quilombos. Modos e Significações. Brasília: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa, 2015.

CHAUÍ, Marilena. Neoliberalismo: a nova forma do totalitarismo. Disponível em: https://aterraeredonda.com.br/neoliberalismo-a-nova-forma-do-totalitarismo, Acesso em 06/01/2020.

COLOMBO, Sylvia. Na Colômbia Santos sacrificou popularidade por paz com a guerrilha FARC. Folha de S.Paulo, São Paulo, Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2018/08/na-colombia-santos-sacrificou-popularidade-por-paz-com-a-guerrilha-farc.shtml Acesso em: 06/01/2020

GARRARD-BURNETT, Virginia. A Vida abundante: a teologia da prosperidade na América Latina. História: Questões & Debates, v. 55, n. 2, 2011.

LEHER, Roberto. APONTAMENTOS PARA ANÁLISE DA CORRELAÇÃO DE FORÇAS NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA: EM PROL DA FRENTE DEMOCRÁTICA. Educação & Sociedade, v. 40, 2019.

LLORENTE E CUENCA. Mudança religiosa na América Latina, presente, passado e futuro. Madrid. 2014

MARX, Karl. A ideologia alemã. Ed. Boitempo, São Paulo, 2015

MATTOS, Amana. Discursos ultraconservadores e o truque da "ideologia de gênero": gênero e sexualidades em disputa na educação. Revista Psicologia Política, v. 18, n. 43, p. 573-586, 2018.

MARIANO, Ricardo. Crescimento Pentecostal no Brasil: fatores internos. Revista de Estudos da religião, v. 4, 2008.

ROLIM, Francisco. O que é pentecostalismo. Editora Brasiliense, 1987.

WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Ed. Saraiva, 2016.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Pinel, W. R., & Reses, E. da silva. (2021). O crescimento do discurso religioso ultraconservador e sua influência nas políticas de educação no Brasil. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(34), 78–92. https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.4362