O lúdico no processo de ensino de inglês: perspectivas no contexto da educação de jovens e adultos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4644

Palavras-chave:

Ensino-aprendizagem de inglês, EJA, Ludicidade, Recursos lúdicos,

Resumo

Este trabalho busca analisar as influências do lúdico no ensino de Inglês na Educação de Jovens e Adultos, especialmente no CEEBJA (Centro Estadual de Educação Básica para Jovens e Adultos) de Pato Branco, objetivando observar a realidade escolar, o uso de atividades lúdicas nesse contexto e suas influências no processo de ensino. A fundamentação teórica aborda os documentos oficiais que embasam o ensino de Inglês nas escolas públicas (BRASIL, 2016; PARANÁ, 2008) e autores que discutem a ludicidade (LAGO, 2010; LOPES, 2011; LUCKESI, 2002). Assim, foi desenvolvido um estudo de caso qualitativo-interpretativo cujo principal objeto de estudo foi a ludicidade. Primeiramente, foram analisados os documentos que norteiam o ensino de Inglês e os materiais didáticos dispostos na escola em questão. Posteriormente, foram observadas seis aulas, ministradas outras duas, feitas entrevistas com as duas docentes regentes e aplicação de questionários com os alunos.  Os resultados mostraram que as docentes acreditam que a ludicidade pode atuar positivamente nas aulas, embora concordem que nem sempre é possível utilizá-la na prática. Os discentes também relataram que se sentem bem e geralmente gostam quando essa é utilizada, reforçando a ideia do aspecto favorável da ludicidade em sala de aula de inglês.

Biografia do Autor

Amanda Stanislawski Reche, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Formada em Licenciatura em Letras - Português/Inglês pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), câmpus Pato Branco. Mestranda em Linguagem, Educação e Trabalho pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), câmpus Pato Branco.

Marcele Garbin Dagios, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Licenciada em Letras - Português/Inglês pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), mestre e doutora em Educação pelo Programa de Pós-Gaduação em Educação da Universidade Federal do Paraná(UFPR). Professora efetiva do Departamento de Letras da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, câmpus Pato Branco.

Referências

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília: 2016.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. LDB – Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

CUNHA, A. G da. A língua estrangeira no ambiente escolar. In: CUNHA, A. G.; MICCOLI, L. (orgs.). Faça a diferença: ensinar línguas estrangeiras na educação básica. São Paulo: Parábola Editorial, 2016, p. 70-77.

GRANDE, P. B de. O pesquisador interpretativo e a postura ética em pesquisas em Linguística Aplicada. Eletras, Curitiba, v. 23, n. 23, p. 11-27, 2011.

FIGUEIREDO, F. J. Q. de. Vygotsky: a interação no ensino/aprendizagem de línguas. São Paulo: Parábola, 2019.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

LAGO, A. Jogos divertidos para a sua aula de inglês. Barueri: DISAL, 2010.

LOPES, M. da G. Jogos na educação: criar, fazer, jogar. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LUCKESI, C. C. Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna. Salvador: GEPEL, Programa de Pós-Graduação em Educação, FACED/UFBA, 2002. (Coletânea Educação e Ludicidade – Ensaios 02)

MASSA, M. de S. Ludicidade: da etimologia da palavra à complexidade do conceito. Aprender: Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação. Vitória da Conquista, ano IX, n. 15, p. 111-130, 2015.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação Básica – Língua Estrangeira Moderna. Curitiba: 2008.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos. Curitiba: 2006.

ROZÁRIO, M. N. V; SBALQUEIRO, A. Escola e ensino-aprendizagem: questionamentos, teorias, estudos e práticas. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/395-4.pdf>. Acesso em: 21 nov. 2019.

SAUSSURE, F. de. Curso de linguística geral. 28 ed. São Paulo: Cultrix, 2012.

SEIDLHOFER, B. Understanding English as a Lingua Franca. Oxford: Oxford University Press, 2011.

SILVA, M. de M. O ensino da Língua Inglesa aos alunos da EJA. Vida de Ensino, [S.I.], v. 02, n. 02, p. 40-47, out/fev. 2010/2011.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

Stanislawski Reche, A., & Garbin Dagios, M. (2021). O lúdico no processo de ensino de inglês: perspectivas no contexto da educação de jovens e adultos. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 162–183. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4644