As relações interpessoais na sala de aula: a mediação pedagógica no processo de ensino e de aprendizagem da criança com deficiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4712

Palavras-chave:

Educação Inclusiva. Teoria Histórico Cultural. Ensino regular.

Resumo

Este estudo visa compreender como os professores do município de Santa Rosa (RS), que trabalham nas salas de Atendimento Educacional Especializado (AEE) e nas salas do ensino regular, entendem e efetivam a inclusão no espaço escolar e, ainda, como eles se relacionam com os alunos da educação especial. Enquanto método emprega-se a pesquisa bibliográfica complementada pela pesquisa de campo na modalidade qualitativa. A realização da coleta de dados aconteceu por meio de observações do trabalho docente em duas escolas municipais que possuem o AEE e entrevistas semiestruturadas, envolvendo professores da sala de aula do ensino regular e educadoras do AEE que auxiliam no processo de inclusão das crianças nessas escolas. A análise desse material foi embasada pelos pressupostos de Bardin (2011) com a Análise de Conteúdo. Diante das observações e entrevistas pode-se perceber uma insegurança por parte dos profissionais que atuam junto aos estudantes da educação especial, bem como  aos alunos com Transtorno do Espectro Autista –TEA,  por falta de cursos de formação que instrumentalize-os para atuarem de forma mais efetiva, de modo que venham a ser intermediadores de conhecimento, atendendo à singularidade de cada criança, possibilitando a elaboração de conhecimentos e saberes escolares.

Biografia do Autor

Cleusa Inês Ziesmann, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Mestre em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijui). Especialista em Interpretação, tradução e Docência de Língua Brasileira de Sinais (Uníntese). Especialista em Psicopedagogia Institucional pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA). Especialista em Educação Especial Inclusiva (UNIASSELVI). Graduada em Pedagogia / Orientação e Supervisão Escolar pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí). Atualmente é professora na Universidade Federal da Fronteira Sul /campus Cerro Largo/RS. É membro do grupo de Pesquisa GEPETEC e do Grupo de Estudos e Pesquisa Direitos Humanos, Movimentos e Instituições da UFFS de Cerro Largo/RS. Atua na área de Educação, com ênfase em Educação Especial/Inclusiva, Língua Brasileira de Sinais, Atendimento Educacional Especializado e Formação de Professores.

Jeize de Fátima Batista, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Possui graduação em Letras-Espanhol pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (1999), Especialização em Língua Espanhola e Cultura Hispânica (URI- 2001), Mestrado em Letras: área de concentração em Linguística Aplicada, pela Universidade Católica de Pelotas (2005) e Doutora em letras pela UniRitter - Porto Alegre (2017). Trabalhou como professora (horista) da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, com disciplinas de Língua portuguesa, Linguística, Língua Espanhola, Análise do Discurso e Práticas de Ensino em nível de Graduação e Pós-Graduação. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Estrangeira Moderna-Espanhol e Língua Portuguesa, atuando principalmente no seguintes temas: leitura, discurso, ensino-aprendizagem de línguas. Também atuou como professora de Língua Portuguesa, Redação e Língua Espanhola nas turmas de 6º ano a 8ª série do Ensino Fundamental e com Redação no 1º ano do Ensino Médio da Escola da URI- Santo Ângelo até outubro de 2013. Atualmente é docente, dedicação exclusiva 40h - Língua Portuguesa- da Universidade Federal Fronteira Sul (UFFS), campus de Cerro Largo.

Sonize Lepke, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Possui graduação em História pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2002). Especialista em Interpretação, Traduação e Docência em Libras (2009) pela Universidade Tuiuti do Paraná. Mestre em Educação nas Ciências pela Universidade Regional Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul(UNIJUÍ). Doutora pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Tem experiência como professora de história na Educação Básica pública e com turmas bilíngues ( Libras/ Português), na gestão e implantação das Salas de Recursos Multifuncionais na rede estadual. Atua na área de educação e história, com enfâse em Educação Inclusiva, Língua de Sinais, aprendizagem, identidade e escolarização. Atualmente é docente da Universidade Federal Fronteira Sul, campus Erechim/RS . Membro do Grupo de Pesquisa Educação Popular na Universidade - GRUPEPU.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BERNI, R. I. G. Mediação: conceito vygostkyano e suas implicações na prática pedagógica. Simpósio Nacional e I Simpósio Internacional de Letras e Linguística. Anais... Brasília, DF, 2006, v. 11, p. 2533-2542.

BIEGER, J.; ZIESMANN, C. I.; LEPKE, S. Currículo e formação de professores: a inclusão de surdos no ensino regular. In: ZIESMANN, C. I.; LEPKE, S. (Org.). Reflexões, experiências e estudos da Libras: na perspectiva da educação. Santa Maria: Gráfica Caxias, 2018, v. 1, p. 87-104.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ leis/l9394.htm>. Acesso em: 23 março 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2008b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeduc especial. pdf>. Acesso em: 12 março 2020.

BRASIL. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Disponível em: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/ Reso510.pdf>. Acesso em: 13 março 2020.

CANDAU, V. M. (Org.). Reinventar a escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

CUNHA, M. I. Aprendizagens significativas na formação inicial de professores: um estudo no espaço dos Cursos de Licenciatura. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, ago. 2001, v. 5, n° 9, p. 103-116.

CHARLOT, B. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Trad. de Bruno Magne. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

CHIZZOTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez; 2003.

DAVIS, C.; OLIVEIRA, Z. Psicologia na Educação. Psicologia na Educação. São Paulo: Cortez, 1988.

ENGESTRÖM, Y. A cultural-historical approach to distributed cognition. 1993. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?hl=en&lr=&id=m8Yna0cjxAgC&oi=fnd&pg= PA1&dq=info:-CDP7Fg0KzMJ:scholar.google.com&ots=-uxA4OpSKu&sig=DRmJsph Swv2dbw1QcJD0GI697Cg&redir_esc=y#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 8 dez. 2017

FACCI, M. G. D. A periodização do desenvolvimento psicológico individual na perspectiva de Leontiev, Elkonin e Vygotsky. Cadernos Cedes. Campinas, SP, abr. 2004, v. 24, n° 62, p. 64-81.

FERNANDÉZ, Alícia. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991

LIBÂNEO, J. C. A aprendizagem escolar e a formação de professores na perspectiva histórico-cultural e da teoria da atividade. Educar em Revista, 2004, nº 24, p. 113-147.

LURIA, A. R. A construção da mente. Trad. Marcelo Brandão Cipolla. São Paulo: Ícone, 1992.

MASETTO, M. T. Competência pedagógica do professor universitário. São Paulo: Summus, 2003.

MANTOAN, M.T.E. Produção de conhecimentos para a abertura das escolas às diferenças: a contribuição do LEPED. Campinas, SP: Unicamp, 2002. Disponível em: <http://www.bancodeescola.com/cenario.htm>. Acesso em: 01 jul. 2018.

MOURA, M. O. Matemática na infância. In: EDIÇÕES GAILIVRO (Org.). Educação matemática na infância. Abordagens e desafios. Vila Nova de Gaia: Gailivro, 2007, p. 39-64.

OLIVEIRA, Z. M. R. (Org.). A criança e seu desenvolvimento: perspectivas para se discutir a educação infantil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

REGO, C. T. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

ROSA, S. S. Brincar, conhecer, ensinar. São Paulo: Cortez,1994.

SÀNCHEZ, A. P. A psicomotricidade na educação infantil: uma prática preventiva e educativa. Trad. Inajara Haubert Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SAWAYA, S. M. Narrativas orais e experiência: as crianças do Jardim Piratininga. In: OLIVEIRA, Z. M. R. (Org.). A criança e seu desenvolvimento: perspectivas para se discutir a educação infantil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky e o processo de formação de conceitos. In: TAILLE, Y.; DANTAS, H.; OLIVEIRA, M. K. Piaget, Vygotsky e Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus Editorial, 1992.

TASSONI, E. C. M. Afetividade e aprendizagem: a relação professor-aluno. Reunião Anual da ANPEd. Anais. Caxambu: ANPEd, 2000, v. 23. Disponível em: Acesso em: 10 out. 2018.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas I: problemas teóricos y metodológicos de la psicología. 2. ed. Trad. José Maria Bravo. Madrid: Visor Dist., 1997, tomo I.

VYGOTSKY, L. S.. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

VYGOTSKY, L. S.. Psicologia pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VYGOTSKY, L. S.. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

VYGOTSKY, L. S.. A pré-história da linguagem escrita. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2008b, p. 122-141.

ZIESMANN, C.I.; FRISON, M. D. Formação de professores e educação escolar inclusiva: um olhar para o sujeito com deficiência visual. Educação e Cultura Contemporânea, 2017, v. 14, p. 74-94.

ZIESMANN, C.I; LEPKE, S.; GUILHERME, A. A. Formação de professores: diálogos e perspectivas sobre a inclusão de todos no ensino superior. In: ANDRADE, M. E. B.; ESTRELA, S. C.; SILVA, I. J. M. (Org.). Políticas e práticas educacionais: dilemas e proposições. Jundiaí-SP: Paco, 2018, v. 54, p. 31-47.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

Ziesmann, C. I., Batista, J. de F., & Lepke, S. (2021). As relações interpessoais na sala de aula: a mediação pedagógica no processo de ensino e de aprendizagem da criança com deficiência. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 232–252. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.4712