Dicumba e Aprendizagem Significativa no Ensino de Química

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.4891

Palavras-chave:

Metodologia Dicumba. Aprendizagem Significativa. Aprender pela Pesquisa.

Resumo

Buscando promover mudanças significativas na prática pedagógica e no desenvolvimento dos processos de ensino e aprendizagem na rede pública de ensino, este artigo expõe a aplicação da metodologia Dicumba (Desenvolvimento Cognitivo Universal-Bilateral da Aprendizagem) à luz da Teoria da Aprendizagem Significativa; uma metodologia de ensino em que o estudante por meio da pesquisa torna-se construtor dos próprios saberes a partir da vivência, da curiosidade e do interesse. Esta pesquisa-ação de cunho qualitativo foi desenvolvida ao longo de três meses com uma turma de 2º ano do Ensino Médio. A coleta de dados foi realizada por meio da observação participante, dos trabalhos de pesquisa desenvolvidos e da aplicação de um questionário estruturado. Os dados coletados foram interpretados e apresentados por meio de tabelas e gráficos à luz de teóricos sobre a metodologia Dicumba. Ao serem interpretados os resultados, pode-se concluir que a Dicumba é uma estratégia didático-pedagógica que potencializar a aprendizagem do aluno de forma significativa, crítica, autônoma e reflexiva, despertando neste a curiosidade, a argumentação crítica e o interesse pela ciência por meio da problematização e do reconhecimento de novos saberes.

Biografia do Autor

Vanessa de Assunção Franco, Universidade Luterana do Brasil - ULBRA

Bacharel em Química. Graduanda em Química Licenciatura.

Bruna Carminatti, Universidade de Passo Fundo - UPF

Mestra e Doutora em Educação em Ciências

EVERTON BEDIN, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Pós-doutorado e Doutorado em Educação em Ciências (UFRGS). Mestre em Educação Química (UFU). Especialização em Gestão Educacional (UFSM) e em Tecnologias da Informação e Comunicação (FURG). Graduado em Licenciatura em Química (UPF). Professor da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Linha de Investigação: Processos de ensino e aprendizagem e formação de professores em ciências.

Referências

BEDIN, E. Filme, experiência e tecnologia no ensino de ciências química: uma sequência didática. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 9(1). 2019. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/4280/2882. Acessado em: 13 fev. 2020.

BEDIN, E. A emersão da interdisciplinaridade no ensino médio politécnico: relações que se estabelecem de forma colaborativa na qualificação dos processos de ensino e aprendizagem à luz das tecnologias de informação e comunicação. (Doutorado em Educação em Ciências: química da vida e saúde). Instituto de Ciências Básicas da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre/RS, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/126836. Acessado em: 15 fev. 2020.

BEDIN, E.; DEL PINO, J. C. Dicumba–o aprender pela pesquisa em sala de aula: os saberes científicos de química no contexto sociocultural do aluno. Góndola, Enseñanza y Aprendizaje de las Ciencias: Góndola, Ens Aprend Cienc, 13(2), 338-352. 2018a. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6750774. Acessado em: 17 fev. 2020.

BEDIN, E.; DEL PINO, J. C. A metodologia Dicumba como uma tempestade de possibilidades para o desenvolvimento do ensino de Química. Revista Brasileira De Ensino De Ciências E Matemática, 1(1), 2018b. Disponível em: https://doi.org/10.5335/rbecm.v1i1.8479. Acessado em: 13 mar. 2020.

BEDIN, E.; DEL PINO, J. C. Dicumba: a methodological proposal of teaching from the classroom research. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), 21, 2019a. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epec/v21/1983-2117-epec-21-e10456.pdf. Acessado em: 15 mar. 2020.

BEDIN, E.; DEL PINO, J. C. Das Incertezas às Certezas da Pesquisa não Arbitrária em Sala De Aula Via Metodologia Dicumba. Currículo sem Fronteiras, 19(3), 1358-1378. 2019b. Disponível em: https://www.curriculosemfronteiras.org/vol19iss3articles/bedin-delpino.pdf. Acessado em: 13 abr. 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnologia, Ministério da Educação. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio. Brasília. 1998.

DE CASTRO, B. J.; COSTA, P. C. F. Contribuições de um jogo didático para o processo de ensino e aprendizagem de Química no Ensino Fundamental segundo o contexto da Aprendizagem Significativa. Revista electrónica de investigación en educación en ciencias, 6(2), 25-37, 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/2733/273322687002.pdf . Acessado em: 23 fev. 2020.

DE MORAES, C. D. S.; BEDIN, E. Indisciplina e falta de autonomia em sala de aula: fatores que influenciam nos processos de ensino-aprendizagem. Pedagogia em Foco, 12(8), 114-133, 2017. Disponível em: http://revista.facfama.edu.br/index.php/PedF/article/view/314. Acessado em: 3 fev. 2020.

DEMO, P. Educação e qualidade. Papirus Editora, 1995.

DEMO, P. Educação profissional: desafio da competência humana para trabalhar. Educação profissional: o debate da (s) competência (s), 1997.

DEMO, P. Pesquisa qualitativa: busca de equilíbrio entre forma e conteúdo. Revista latino-americana de enfermagem, 6(2), 89-104, 1998.

GALIAZZI, M. D. C.; MORAES, R.; RAMOS, M. G. Educar pela pesquisa: as resistências sinalizando o processo de profissionalização de professores. Educar em revista, (21), 01-15, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/er/n21/n21a15.pdf. Acessado em: 30 mar. 2020.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático, 2, 64-89, 2002.

LEMOS, E. D. S. A aprendizagem significativa: estratégias facilitadoras e avaliação. Série-Estudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, (21), 2011. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/16653. Acessado em: 13 mar. 2020.

MOREIRA, M. A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: Editora da UnB. 185p, 2006.

MOREIRA, M. Aprendizagem significativa, organizadores prévios, mapas conceituais, diagramas V e unidades potencialmente significativas. Material de apoio para o curso Aprendizagem Significativa no Ensino Superior: Teorias e Estratégias Facilitadoras. PUCPR. 2013. Disponível em: http://www.profjudes.unir.br/uploads/44444444/arquivos/TAS_1490483223.pdf. Acessado em: 25 fev. 2020.

PORLÁN, A. R.; RIVERO, A.; POZO. R. M. Conocimiento Profesional y Epistemología de los Profesores I: Teoría, Métodos e Instrumentos. Enseñanza de las Ciências, 15(2), 155-171, 1997. Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21488. Acessado em: 17 mar. 2020.

PORLÁN, A. R.; RIVERO, A.; POZO. R. M. Conocimiento Profesional y Epistemología de los Profesores II: Estudios Empíricos e Conclusiones. Enseñanza de las ciencias, 16(2), 271-288, 1998. Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21534

RANGEL, F. Z.; BEDIN, E.; DEL PINO, J. C. Dicumba-uma metodologia para o Ensino de Química: avaliação, tendência e perspectiva. XII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – ENPEC, 2019. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec/anais/resumos/1/R0598-1.pdf. Acessado em: 18 abr. 2020.

SANTANA, E. D.; REZENDE, D. D. B. O Uso de Jogos no ensino e aprendizagem de Química: Uma visão dos alunos do 9º ano do ensino fundamental. XIV Encontro Nacional de Ensino de Química, 1-10, 2008. Disponível em: http://quimica.ufpr.br/eduquim/eneq2008/resumos/R0125-1.pdf. Acessado em: 10 mar. 2020.

SANTOS, A. O.; SILVA, R. P.; ANDRADE, D.; LIMA, J. P. M. Dificuldades e motivações de aprendizagem em Química de alunos do ensino médio investigadas em ações do (PIBID/UFS/Química). Scientia plena, 9(7 (b)). 2013. Disponível em: https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/1517/812 Acessado em: 13 mar. 2020.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

Franco, V. de A., Carminatti, B., & BEDIN, E. (2022). Dicumba e Aprendizagem Significativa no Ensino de Química. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.4891