O LIVRO DIDÁTICO “UPÉICHA ROHAI - ORE KUATIA ÑE'Ẽ PETEĨHA” COMO ESTRATÉGIA DE ESCOLARIZAÇÃO EM UMA ALDEIA INDÍGENA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4930

Palavras-chave:

Livro Etnográfico. Língua Guarani. Ensino. Tática.

Resumo

Este trabalho é parte de pesquisa concluída, que analisou a criação e o funcionamento de  uma escola na Aldeia Jarará, localizada em Juti, Mato Grosso do Sul. Neste texto foi analisada a produção e o uso de um livro didático (LD) e etnográfico, escrito na língua materna Guarani, e intitulado “Upéicha Rohai: Ore kuatia ñe'ẽ peteĩha”, que significa “Assim escrevemos: nosso primeiro livro” (GONSALVES et al., 1993), e que contribuiu para o funcionamento da escola na Aldeia. O LD foi produzido no seio do Movimento de Professores Indígenas junto ao Conselho Indigenista Missionário de Dourados (CIMI), no ano de 1993, com a participação de dois professores indígenas daquele município. Um dos autores desse LD contribuiu com a pesquisa por meio de entrevista e fornecendo fontes documentais e fotograficas. Como resultado, observou-se que a tática empreendida para viabilizar a educação escolar almejada pela comunidade indígena, tinha como perspectiva que a educação fosse oferecida na terra indígena e não na cidade, como vinha ocorrendo. Conclui-se que o Livro foi produzido e utilizado como estratégia de luta e ferramenta de ensino, principalmente quando foi adotado como referência na escola indígena de Juti e em outras escolas de aldeias localizadas no estado.

Biografia do Autor

Rosângela Farias Silva, Creche Lar André Luiz

Graduação em pedagogia e Mestrado em Educação pela UFGD (2019). Professora da Rede privada de educação de Dourados-MS.

Rosemeire de Lourdes Monteiro Ziliani, Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Pós-doutorado em Psicologia (2019) e Doutorado em Educação (2009) pela UFMS. Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação da UFGD. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em História da Educação, Memória e Sociedade (GEPHEMES).

Referências

ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. Violar Memórias e Gestar a História: abordagem a uma problemática fecunda que torna a tarefa do historiador - um “parto difícil”. Universidade Federal da Paraíba. CLIO-Série História do Nordeste, v. 15, p. 39-53, 1994. Disponível em:

. Acesso em: 15 jun. 2018.

AQUINO, M. F. Entrevista. Juti, maio 2019. 8 f.

BRASIL. Portaria Interministerial n. 559, de 16 de abril de 1991. Sobre a educação escolar para as populaçõoes indígenas. Diário Oficial da União, Brasília, 17 abr. 1991, n. 73, Seção 1, p. 7084-7085.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer CNE/CEB n. 14/99 de 14 de setembro de 1999. Sobre as diretrizes curriculares nacionais da educação escolar indígena. Diário Oficial da União, Brasília, 19 de out. de 1999. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/1999/pceb014_99.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília: Congresso Nacional, 1996. Diário Oficial da União, Brasília, 14 de julho de 2010, Seção 1, p. 1. Acesso em: 22 jun. 2017.

CASTRO, E. Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. 2. ed. Trad. Ingrid Müller Xavier. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016. 477 p.

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO. Situação geral das Terras Indígenas no Brasil. 2018. Disponível em: <https://www.cimi.org.br/terras-indigenas/?filter_1=MS&filter_7=Portaria+de+restri%C3%A7%C3%A3o&filter_10=Jarar%C3%A1&mode=any>. Acesso em: 14 maio 2019.

CORACINI, M. J. R. F. O livro didático nos discursos da lingüística aplicada e da sala de aula. In: CORACINI, M. J. R. F. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático: língua materna e língua estrangeira. Campinas: Pontes, 1999. p. 17-26.

CHOPPIN, A. Os livros didáticos de ontem a hoje: o exemplo da França. In. MOREIRA, K. H.; HERNANDÉZ DÍAZ, J. M. (Org.). História da educação e livros didáticos. Campinas-SP: Pontes Editores, 2017, p. 81-124.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 19. ed. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro, RJ: Ed. Graal, 1979. 174 p.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 27 ed. Petrópolis.Tradução Raquel Ramalhete. São Paulo: Ed. Vozes, 1987. 288 p.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO INDIO (FUNAI). Aty Guassu reuniu representantes de 50 comunidades indígenas. 2012. Disponível em: <https://funaipontapora.wordpress.com/2012/07/30/aty-guassu-reuniu-representantes-de-50-comunidades-indigenas/>. Acesso em: 30 out. 2018.

GONSALVES, A.; et. al. Upéicha rohai: ore kuatia ñe'ê peteîcha. Campo Grande, CIMI/SEE. 1993. 58 p. Disponível em: <http://lemad.fflch.usp.br/node/3850>. Acesso em: 20 jul. 2017.

GONSALVES, A. Entrevista. Juti, abr. 2019. 18 f.

GRIGOLETTO, M. Leitura e funcionamento discursivo do Livro Didático. In: CORACINI, M. J. R. F. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do Livro Didático: língua materna e língua estrangeira. Campinas, SP: Pontes. 1999.67- 77 p.

LABORATÓRIO DE ENSINO E MATERIAL DIDÁTICO. Livro Upéicha Rohai: Ore kuatia ñe'ẽ peteĩha. 2008. Disponível em: <http://lemad.fflch.usp.br/node/3850>. Acesso em: 20 jul. 2017.

LAJOLO, M. Livro didático: um (quase) manual de usuário. Em Aberto, Brasília, ano 16, n. 69, jan./mar. 1996. Disponível em: <http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/issue/view/231>. Acesso em: 9 nov. 2018.

LIMBERT, R. de C. P. A imagem do índio: discursos e representações. Dourados: Ed. UFGD, 2012. 318 p.

LISBÔA, E. R. M.; SILVA, M. A. T. da.; SOUSA, T. R. de. Velhos objetos x novos olhares: os usos do livro didático no ensino de história. Rev. HISTEDBR On-line, Campinas, v. 15, n. 65, p. 252-264, out. 2015. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8642709/10188>. Acesso em: 10 out. 2018.

LOURENÇO, R. Por uma nova textura histórica: O movimento dos professores indígenas Guarani/Kaiová em Mato Grosso do Sul - 1988 a 2000. Dourados, MS: UEMS, 2013. 138 p. (E-book).

PEREIRA, S. M. C. Etnografia nos registros produzidos por Hércules Florence durante expedição Langsdorff na província do Mato Grosso (1826-1829). Dourados, MS: Ed. UFGD, 2016. 185 p.

QUEIROZ, P. R. C. A Companhia Mate Laranjeira,1891-1902: contribuição à história da empresa concessionária dos ervais do antigo sul de Mato Grosso. Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 8, n. 1, p. 204-228, jan./jun. 2015. Disponível em:

<http://www.ppghis.com/territorios&fronteiras/index.php/v03n02/article/view/336/pdf>. Acesso em: 10 abr. 2018.

ROSSATO, V. L. Os resultados da escolarização entre os Kaiowá e Guarani em Mato Grosso do Sul: “Será o letrao ainda um dos nossos?”. 2002. 196 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Campo Grande, 2002.

ROSSATO, V. L. Entrevista. Juti, abr. 2019. 21 f.

SILVA, R. H. D. da. Movimentos indígenas no Brasil e a questão educativa: Relações de autonomia, escola e construção de cidadanias. Trabalho apresentado na XXII Reunião Anual da ANPEd, Caxambu, setembro de 1999. Revista Brasileira de Educação. Disponível em: . Acesso em: 2 jan. 2018.

VEIGA-NETO, A. Dominação, violência, poder e educação escolar em tempos de Império. In: Margareth Rago e Alfred Veiga-Neto (Org.). Figuras de Foucault. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. 296 p. (Coleção Estudos Foucaultianos)

Downloads

Publicado

21/05/2022

Como Citar

Silva, R. F., & Ziliani, R. de L. M. (2022). O LIVRO DIDÁTICO “UPÉICHA ROHAI - ORE KUATIA ÑE’Ẽ PETEĨHA” COMO ESTRATÉGIA DE ESCOLARIZAÇÃO EM UMA ALDEIA INDÍGENA. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(37). https://doi.org/10.26514/inter.v13i37.4930

Edição

Seção

Artigos