O ensino de gêneros textuais em língua portuguesa para surdos em contexto bilíngue

reflexões sobre práticas pedagógicas nos anos iniciais do Ensino Fundamental

Visualizações: 179

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.5169

Palavras-chave:

Educação bilíngue, Português para surdos, Gêneros textuais

Resumo

O reconhecimento do bilinguismo do surdo na legislação brasileira foi uma grande conquista; entretanto, há, ainda, muitas problemáticas na sua educação relacionadas à produção e interpretação de textos. Neste artigo, investigamos como escolas e professores compreendem e manejam gêneros textuais no ensino e na aprendizagem da língua portuguesa pelo surdo. A metodologia utilizada, de base etnográfica, envolveu análise de observações feitas em diário de campo, além dos registros de relatos de professoras, em duas escolas bilíngues (Português-Libras), em Fortaleza-Ce. Uma constatação importante é de que há diferentes gêneros textuais nas duas escolas. Entretanto, isso não assegura que eles sejam explorados quanto a sua forma, suas características, seus objetivos e situações reais de seu uso. Foi identificada ainda uma tendência a adaptação e enxugamento dos textos trabalhados em sala de aula. Verificou-se que os surdos têm pouco acesso a textos, em contextos informais e espontâneos, indicando que eles precisam encontrar, na escola e na sala de aula, vivências contextualizadas e significativas da língua.

Biografia do Autor

Renata Castelo Peixoto, Universidade Federal do Ceará

Professora do Departamento de Letras Libras e Estudos Surdos da UFC, no área de Fundamerntos de Educação de Surdos.

Referências

ALMEIDA FILHO, J. C. P. de. Ensino de línguas e comunicação. Campinas, SP: Pontes Editores e ArteLíngua, 2009.

ANTUNES, I. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

BECHARA, E. Ensino da Gramática: Opressão? Liberdade?. São Paulo: Ática. Série Princípios, 12ª edição, 2006.

BROCHADO, S. M. D. Apropriação da escrita por crianças surdas usuárias da língua de sinais brasileira. São Paulo: Tese de doutorado. Faculdade de ciências e letras de Assis - Universidade Estadual Paulista, 2003.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

MEC - SECRETARIA DA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília, 2000, 144p.

CHARMEUX, E. Aprender a ler: Vencendo o Fracasso. São Paulo: Cortez, 2000.

CLIFFORD, J. A. Experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2002.

EVANS-PRITCHARD, E. Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2005.

FERNANDES, S. É possível ser surdo em Português? Língua de sinais e escrita: em busca de uma aproximação. In: SKLIAR, C. (org.) Atualidade da educação bilíngüe para surdos. Vol. II. Porto Alegre: Mediação, 1999.p.59-81.

GESUELI, Z. M. A criança surda e o conhecimento construído na interlocução em língua de Sinais. Tese de doutorado. Universidade estadual de Campinas,1998.

GÓES, M. C. Linguagem, Surdez e Educação. Campinas, SP: Autores Associados, 1999.

GUARINELLO, A.C. ET. AL. Surdez e letramento: pesquisa com surdos universitários de Curitiba e Florianópolis. In: Rev. bras. educ. espec. vol.15, nº.1. Marília Jan./Abr. 2009.

KAUFMAN, A. M.; RODRIGUES, M. H. Escola, leitura e produção de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

KOCH, I. G. V. O texto e a construção dos sentidos. 9ª ed. São Paulo: Contexto, 2008.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 2013.MACHADO, E. de L. Psicogênese da leitura e da escrita na criança surda. Tese de Doutorado. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2000.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONISIO, A. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A.(orgs). Gêneros textuais e ensino. São Paulo: Parábola Editorial, 2010 p. 19 a 38.

PEIXOTO, R. C. A interface entre a língua brasileira de sinais (LIBRAS) e a língua portuguesa na Psicogênese da escrita na criança surda. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará, 2004.

PEIXOTO. Ensino de Português para surdos em contextos bilíngues: análise de práticas e estratégias de professoras ouvintes nos anos iniciais do Ensino Fundamental. 282f Tese (Doutorado em Educação Brasileira) - Universidade federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

SACKS, O. Vendo vozes: Uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

Secretaria Municipal de Educação. Diretoria de Orientação Técnica. Orientações Curriculares: Proposição de Expectativas de Aprendizagem. Educação Infantil e Ensino Fundamental. Língua Portuguesa para Pessoa Surda. São Paulo: SME/DOT, 2008, 128p.

SILVA, M. da P. M. A construção de sentidos na escrita do aluno surdo. São Paulo: Plexus Editora, 2001.

Downloads

Publicado

06-11-2023

Como Citar

Peixoto, R. C., & Dias, A. M. I. (2023). O ensino de gêneros textuais em língua portuguesa para surdos em contexto bilíngue: reflexões sobre práticas pedagógicas nos anos iniciais do Ensino Fundamental. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(40), 525–544. https://doi.org/10.61389/inter.v14i40.5169