Princípios gerais para a reforma dos cursos de licenciatura no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.5384

Palavras-chave:

formação de professores, licenciatura, reforma, princípios

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir princípios gerais para a reforma dos cursos de licenciatura no Brasil. Ao fazer isso, o texto cumpre duas missões: primeiro, registrar o trabalho de uma comissão instituída na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) para apresentar propostas para o novo contexto de reformulação das licenciaturas na Universidade desencadeado pela aprovação da Resolução 2/2015 e, segundo, compartilhar o trabalho dessa comissão com um público mais amplo – para além daquele da comunidade interna da UFMG. Espera-se que o artigo contribua para repensar os modelos de formação de professores da educação básica em todo o território nacional – e, quiçá, fora dele.

Biografia do Autor

Júlio Emílio Diniz-Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais (PPGE/FaE/UFMG).

O Professor Júlio Emílio Diniz é Doutor (Ph.D.) em Educação (mais especificamente, em Sociologia do Currículo e da Formação de Professores) pela University of Wisconsin-Madison, nos Estados Unidos (2004). É Professor em Dedicação Exclusiva (D.E.) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), desde 1997. Nesse período, além de inúmeras representações acadêmicas, coordenou o Núcleo de Assessoramento à Pesquisa da Faculdade de Educação (NAPq/FaE/UFMG; 2013-2015; 2015-2017) e também assumiu a Coordenação Pedagógica do Programa Institucional de Iniciação à Docência (PIBID/FaE/UFMG; 2014-2017). Por duas vezes, foi membro do Comitê Assessor da Pró-Reitoria de Pesquisa (PRPq/UFMG) na Área de Ciências Humanas (2008-2010; 2018-2019) e, atualmente, é o seu Presidente. Professor Visitante nas seguintes universidades nos Estados Unidos: North Carolina State University (como Short Term Scholar em 2016), University of Wisconsin-Madison (como Short Term Scholar em 2005, 2006, 2008, 2012, 2013, 2014 e 2015) onde lecionou o curso Paulo Freire and Education for Social Justice, e na University of Washington-Seattle (como Visiting Associate Professor), onde desenvolveu sua pesquisa de pós-doutoramento (2011-2012) e também ministrou o referido curso (2011). Professor Visitante do Centro de Estudios Avanzados da Universidad de Playa Ancha (Chile) com bolsa da Comissión Nacional de Investigación Científica y Tecnológica (CONICYT). Membro do Consejo Asesor Científico do Centro de Investigación en Educación para la Justicia Social (CIEJUS) no Chile. Professor Colaborador da REAMEC - Rede Amazônica de Doutorados de Educação em Ciências e Matemática - Linha de Pesquisa: Formação de professores para a Educação em Ciências e Matemática. É membro-fundador de dois núcleos de pesquisa na UFMG: o Núcleo de Pesquisas sobre a Profissão Docente (PRODOC) e o Núcleo de Educação de Jovens e Adultos: Formação e Pesquisa (NEJA). No Programa de Pós-graduação em Educação (PPGE) da UFMG foi Coordenador da Linha de Pesquisa DOCÊNCIA (2016-2018; 2018-2019), é o Coordenador do curso de Doutorado Latino Americano (DLA; 2019-atual) e responsável pelas disciplinas: Tendências da Pesquisa sobre Formação de Professores; e Profissão Docente na América Latina (esta última obrigatória para o DLA do PPGE/FaE/UFMG). Desenvolve e orienta pesquisas sobre as seguintes temáticas: políticas públicas, legislação e reformas curriculares na formação de professores; profissão, trabalho e identidade docente; aprendizagem da docência e construção de saberes docentes; a epistemologia da experiência na formação docente; pesquisas narrativas na formação de professores; pesquisa sobre e na formação docente; formação de educadores, diversidade cultural e movimentos de luta por justiça social. Diniz-Pereira tem 54 artigos publicados na área da formação de professores, em periódicos nacionais e estrangeiros. Autor de dois livros: Formação de professores: pesquisas, representações e poder (Belo Horizonte, Autêntica, 2000) e How the Dreamers are Born: Struggles for Social Justice and the Identity Construction of Activist Educators in Brazil (New York, Peter Lang, 2013). Além disso, tem capítulos de livros (quarenta e oito) e livros organizados no Brasil (oito), em Portugal (dois) e no Chile (um). Fez 268 apresentações ao longo de sua carreira (incluindo conferências de abertura e de encerramento de eventos científicos, aulas inaugurais, palestras, participações em mesas redondas e apresentações de trabalho no país e no exterior). Participa do GT8 (Formação de Professores) da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd), desde 1993. Editor-chefe da Formação Docente - Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, periódico eletrônico do GT8 da ANPEd (http://formacaodocente.autenticaeditora.com.br) (2008-2011; 2011-2014). Finalmente, coordena a Coleção Docência da Editora Autêntica, de Belo Horizonte (http://www.autenticaeditora.com.br/autentica/colecoes/30).

 

Maria José Batista Flores, Universidade Federal de Minas Gerais (PPGE/FaE/UFMG).

Professora Adjunta-A da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Educação pela FaE-UFMG (2014) no Programa de doutorado Latino Americano: políticas públicas e profissão docente. Mestre em Educação e graduada em Pedagogia (2006;2001) pela FaE-UFMG, especialista em Educação a Distância pelo SENAC-MG (2009). Atua como docente do Ensino Superior lecionando: Teorias e Práticas Pedagógicas, Didática do Ensino Superior, Didática na licenciatura, Metodologias de Ensino a Distância, Análise da Prática pedagógica. diretora de Inovação e Metodologia no Ensino (2018- atual) da PROGRAD/UFMG. Pesquisadora do GAME - Grupo de Avaliação e Medidas Educacionais da Faculdade de Educação da UFMG e do LEPED-UFRJ Laboratório de Estudos e Pesquisas em Didática e Formação de Professores. Pesquisa sobre pedagogia e docência na educação básica e superior com interesse sobre: teorias pedagógicas, avaliação, processos de ensino aprendizagem, práticas pedagógicas, pedagogia universitária, desenvolvimento profissional docente e atuação de pedagogos(as) nas instituições de educação básica e superior.

Filipe Santos Fernandes, Universidade Federal de Minas Gerais (PPGE/FaE/UFMG).

Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Federal de Juiz de Fora (2010) e doutor em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2014), com estágio sanduíche na Universitat de Barcelona (Espanha). É professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde atua em cursos de licenciatura voltados à formação de professores que ensinam matemática e no Programa de Pós-graduação em Educação: conhecimento e inclusão social. Coordena, atualmente, o grupo de estudos inSURgir, assumindo uma opção decolonial em Educação Matemática. É membro do Grupo de Pesquisa História Oral e Educação Matemática (GHOEM) e do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo (NEPCampo). Recebeu, em 2015, o Prêmio Capes de Tese na área de Ensino pelo trabalho "A quinta história: composições da Educação Matemática como área de pesquisa". Realizou estágio pós-doutoral na Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), com período na University of Cape Town (África do Sul). Tem experiência na área de Educação Matemática, tendo interesse nas seguintes temáticas: decolonialidade; relações entre educação do campo e educação matemática; perspectivas socioculturais em educação matemática; e história da educação matemática no Brasil. 

Referências

ANDRÉ, M. Políticas e programas de apoio aos professores iniciantes no Brasil. Cadernos de Pesquisa. vol. 42, n. 145, p. 112-129, jan./abr. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei 9.394/96. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 9, de 9 de maio de 2001. Sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura. Brasília: CNE, 2001.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores de Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, 19 de fevereiro de 2002.

BRASIL, 2006. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, Licenciatura. Diário Oficial da União, Brasília, 16 de maio de 2006.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 02 jul. 2015.

COELHO, A. M. S.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Olhar o magistério “no próprio espelho”: o conceito de profissionalidade e as possibilidades de se repensar o sentido da profissão docente. Revista Portuguesa de Educação, vol. 30, 2017.

DEWEY, J. The Relation of Theory to Practice in Education. In: National Society for the Scientific Study of Education, Third Yearbook, Part I, Bloomington: Public School Publishing Co., 1904, p. 9-80.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Formação de professores S/A: tentativas de privatização da preparação de docentes da educação básica no mundo. Belo Horizonte: Autêntica, 2019a.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Desenvolvimento profissional docente: um conceito em disputa. In: Francisco Imbernón, Alexandre Shigunov Neto e Ivan Fortunato, Formação permanente de professores: experiências ibero-americanas. São Paulo: Edições Hipótese, 2019b, p. 65-74.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A situação atual dos cursos de licenciatura no Brasil frente à hegemonia da educação mercantil e empresarial. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, n. 3, p. 273-280, 2015.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A prática como componente curricular na formação de professores. Educação, Santa Maria, v.36, n.2, p. 203-218, maio/ago. 2011.

DINIZ-PEREIRA, J. E. A formação acadêmico-profissional: compartilhando responsabilidades entre universidades e escolas. In: Clarice Traversini, Elda Eggert, Eliane Peres, Iara Bonin. (Org.). Trajetórias e processos de ensinar e aprender: didática e formação de professores. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008, v. 1, p. 253-267.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Formação de professores: pesquisas, representações e poder. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

GARCIA, C. M. Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Revista de Ciências da Educação, n. 8, jan./abr. 2009.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da Pedagogia. Rio Grande do Sul: Editora Unijuí, 1998.

GIMENO SACRISTÁN, J. Consciência e acção sobre a prática como libertação profissional dos professores. In: NÓVOA, António (org.). Profissão Professor. Porto: Porto Editora, 1995, pp. 63-92.

KLUTH, V. S. Prática docente e formação de professores: reflexões à luz do ensino de Ciências. São Paulo: Alameda, 2017.

LOCATELLI, C.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Quem são os atuais estudantes de licenciatura no Brasil? Perfil socioeconômico e relação com o magistério. Cadernos de Pesquisa UFMA, v. 26, n. 3, p. 225-243, jul./set. 2019.

LUZ, A. S. Licenciaturas interdisciplinares no cenário nacional: implantação e processo. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2018.

NASCIMENTO, M. das G.; FLORES, M.; XAVIER, D. Indução profissional: desafios e tensões no contexto de uma política pública. Currículo sem Fronteiras, v. 19, p. 151-166, 2019.

NÓVOA, A. Profissão professor. Porto: Porto, 1991.

NÓVOA, A. Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

ROLDÃO, M. C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, vol. 12, n. 34, p. 94-181, jan./abr. 2007.

SHULMAN, L. Knowledge and Teaching: Foundations of a New Reform. Harvard Educational Review, Cambridge, v. 57, n. 1, p. 1-22, 1987.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas conseqüências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, v.13, 2000.

TARDIF, M; GAUTHIER, C. O professor como “ator racional”: que racionalidade, que saber, que julgamento? In: PERRENOUD, P. et al. Formando professores profissionais. Quais estratégias? Quais competências? (2ª edição) Porto Alegre: Artmed, 2001.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. (3ª ed.). Petrópolis: Vozes, 2007.

TARDIF, M.; LESSARD, C.; LAHAYE, L. Os professores face ao saber. Esboço de uma problemática de um saber docente. Teoria & Educação, n. 04, 1991.

VAILLANT, D. Políticas de inserción a la docencia en America Latina: la deuda pendiente. Profesorado. Revista de curriculum y formación del profesorado. vol. 13, n. 1, p. 27-41, 2009.

Downloads

Publicado

2021-06-18

Como Citar

Diniz-Pereira, J. E., Flores, M. J. B., & Fernandes, F. S. (2021). Princípios gerais para a reforma dos cursos de licenciatura no Brasil. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(34), 589–614. https://doi.org/10.26514/inter.v12i34.5384