Egressos do Pibid: o movimento de aprender a ser professor e o fazer docente em sala de aula

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.5436

Palavras-chave:

Formação inicial de professores, Pibid, Aprendizagens da docência.

Resumo

Este artigo tem como objeto de estudo, o saber e o fazer docente dos egressos do Programa de Iniciação à Docência (Pibid). O Pibid trata-se de uma política pública educacional criada para contribuir com a formação de professores e incentivar a atuação na docência, principalmente, na educação básica. A pesquisa foi realizada a partir da seguinte questão: quais as contribuições do Pibid para a aprendizagem docente de egressos? O objetivo foi identificar as contribuições do Pibid para o saber e o fazer docente de egressos. Utilizou-se da investigação narrativa, cujo instrumento principal foi constituído por narrativas orais de formação com cinco professores egressos do Pibid. Os resultados sinalizam que o Pibid é um programa que incita práticas inovadoras de aproximação da IES com a escola e oportunizou aos egressos aprendizagens de vários saberes que estão mobilizando como professores que vão desde o planejamento, a forma de lidar com os alunos, a problematização do papel do ensino ao uso de diversos métodos de ensino. Contudo, considera-se ser o Pibid um programa frágil pois, é condicionado a disponibilidades orçamentárias e não contempla todos os licenciandos dos cursos de formação inicial de professores e não inclui também todas as áreas disciplinares das Licenciaturas.

Biografia do Autor

Jéssica Pereira de Oliveira Nakade, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás

Graduada em Licenciatura em Química pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Campus Itumbiara (2016), mestra em Ensino de Ciências e Matemática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Campus Jataí (2019), graduada em Pedagogia pela Faculdade Educacional da Lapa (2020) e graduanda em Matemática nesta mesma instituição. Atualmente é professora contratada pela Secretária Estadual de Educação do Estado de Goiás, lotada no CEPI - Dr. José Feliciano Ferreira, na cidade de Itumbiara-GO. Atua principalmente nos seguintes temas: PIBID, saber e fazer docente, formação de professores e ensino-aprendizagem.

Rosenilde Nogueira Paniago, Instituto Federal Goiano

Doutora em Ciências da Educação pelo Instituto de Educação, Universidade do Minho, Portugal (UMinho) com revalidação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestra em Educação por meio do Programa de Pós-Graduação em Educação e Especialista em Formação de Orientadores Acadêmicos para Educação à Distância (EaD) ambos pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Graduada em Licenciatura Plena em Pedagogia . Graduada em Licenciatura Plena em Matemática. Especialista em Metodologia do Ensino de Matemática. Atualmente é Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano - Campus de Rio Verde, Goiás (IF Goiano), onde atua na área de Ensino de Ciências/Formação de Professores e Coordena o Programa Institucional Residência Pedagógica. Atuou como Coordenadora de Gestão Institucional do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) de 2011 a 2014. Foi professora da rede pública de Mato Grosso por 17 anos, nos quais atuou como professora da rede e formadora em Educação do Campo no Centro de Formação e Atualização dos Profissionais da Educação (CEFAPRO) como orientadora do curso de Pedagogia em EAD da Universidade do Estado de Mato Grosso (UFMT) e professora da rede do município de Água Boa. Faz parte do grupo de pesquisa em EducAção do Instituto Federal Goiano (IF Goiano), do Centro de Investigação em Estudos da Criança da Universidade do Minho/Portugal (UMinho) e do grupo InvestigaAção da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com pesquisas nas áreas de Educação do Campo, Formação de Professores, Saberes, Práticas Educativas e Ensino de Ciências.

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de caso: seu potencial em educação. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, FCC, n. 49, 1984, p. 51-54.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução: Luís Antero Reto. Edições 70, 2016.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e à métodos. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Portugal: Porto Editora. 1994.

DOWBOR, F. F. Quem educa marca o corpo do outro. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2008. p. 59-74.

DUTRA, E. A narrativa como uma técnica de pesquisa fenomenológica. Estudos de Psicologia. Estudos de Psicologia, 2002, v. 7, n. 2, 371-378.

GATTI, B. A. et al. Um estudo avaliativo do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid). São Paulo: FCC/SEP, 2014.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra, 1996.

AUTORA 1. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, 2016.

AUTORA 2. Tese (Doutorado em Ciências da Educação) – Universidade do Minho. 2016.

AUTORA 2. Curitiba: Appris, 2017.

AUTORA 2 et al. Educação & Realidade, Porto Alegre, 2017.

AUTORA 2 et al. Educação em Revista, Belo Horizonte, 2018.

PIMENTA, S. G. et al. Saberes pedagógicos e atividade docente. Selma Garrido Pimenta (Org.). – 8. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SARMENTO, T. J.; CAPORALE, S. M. M. Cruzar o mar na formação e na ação: narrativas de professores portugueses e brasileiros. Horizontes, v.33, p. 9-18, 2015.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

Nakade, J. P. de O., & Paniago, R. N. (2022). Egressos do Pibid: o movimento de aprender a ser professor e o fazer docente em sala de aula. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.5436