Desigualdades de Gênero e Raça na Pesquisa em Educação: quem são e o que pesquisam as mulheres negras bolsistas de produtividade do CNPq?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.5528

Palavras-chave:

Mulheres. Negras. Pesquisadoras.

Resumo

Esse estudo teve por objetivo central analisar a produção científica das mulheres negras que se destacaram no campo da pesquisa em Educação, e que ascenderam aos mais altos níveis de reconhecimento em produtividade científica no país. Para isso, foram consultados os dados do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), os Currículos Lattes dessas pesquisadoras; bem como imagens dessas mulheres, disponíveis na internet. O processo por meio do qual se deu a identificação dessas mulheres foi a heteroidentificação étnico-racial virtual. Trata-se de um estudo exploratório de natureza qualitativa, que foi realizado no segundo semestre de 2020. O aporte analítico se situa na análise de conteúdo proposta por Laurence Bardin. Foram analisados 11 Currículos Lattes de 11 mulheres negras, bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq, na área da Educação. A partir dessas análises, foi possível constatar que, essas mulheres, por meio dos saberes que produzem e das posições acadêmicas que ocupam, realizam um esforço de resistência epistemológica no campo do gênero e/ou da raça. Sustentamos a tese de que essa resistência é verdadeira nos casos das investigadoras negras que se dedicam a produzir conhecimento especificamente para esse(s) campo(s) de pesquisa; mas também é verdadeira tanto no caso daquelas que investigam campos adjacentes, quanto no caso daquelas mulheres negras que investigam temas mais distantes.

Biografia do Autor

Ivanderson Pereira da Silva, Universidade Federal de Alagoas

É licenciado em Física (UFAL/2008) com Iniciação Científica no campo do Ensino de Ciências mediado por Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (PIBIC/CNPq - Ciclo 2007-2008). Possui Mestrado (UFAL/2010) e Doutorado em Educação (UFAL/2016) com pesquisas enfocadas na integração das TDIC ao Ensino de Ciências e na Formação de Professores/as de Física mediada por Interfaces da Internet. Realizou estágio pós-doutoral no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe (2020/UFS - PNPD/CAPES), com estudo netnográfico acerca dos desafios das mulheres negras brasileiras se constituirem cientistas e de suas lutas para ascenderem às Bolsas de Produtividade em Pesquisa do CNPq (CA - Educação). É professor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Campus Arapiraca e professor permanente dos Programas de Pós-graduação em Educação (PPGE/CEDU/UFAL); em Ensino e Formação de professores (PPGEFOP/ Campus Arapiraca/ UFAL) e do Doutorado da Rede Nordeste de Pós-graduação em Ensino (RENOEN - Polo UFAL). É professor colaborador do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPGECIM/CEDU/UFAL). É líder do Grupo de Pesquisa "Educação em Ciências e Tecnologias Afro-Latino-Americanas" (GP-ECITALAS/CNPq - http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/357670). É membro da Red Ecuatoriana de Investigación Científica Inclusiva Multidisciplinar (REICIM - https://reicim.blogspot.com/). Na graduação, trabalha desde 2009 com a orientação de Estágio Supervisionado, sobremaneira nos cursos de formação de professores de Física. Na pós-graduação, tem se concentrado em estudos teórico-metodológicos focados nos processos formativos baseados no desenvolvimento científico e tecnológico afro-latino-americano; bem como na análise e no desenvolvimento de possibilidades teórico-metodológicas de Ensino de Ciências afrocentradas e/ou emergentes da cultura dos povos originários da América Latina. No campo da extensão universitária têm produzido iniciativas no formato de intervenções sociais que buscam disseminar os conhecimentos produzidos dentro do GP-ECITALAS/CNPq.

Alfrâncio Ferreira Dias, Universidade Federal de Sergipe

Pós-doutor pela University of Warwick, UK (2018). Doutor em Sociologia (UFS). Professor Adjunto III do Departamento de Educação - DED da Universidade Federal da Sergipe. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGED da Universidade Federal da Sergipe (Gestão 2016-2018 e Gestão 2018-2020). Vice-líder do Grupo de Pesquisa: Educação, Formação, Processo de Trabalho e Relações de Gênero - CNPq. Pesquisador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares sobre a Mulher e Relações Sociais de Gênero (NEPIMG/UFS). Editor da Revista Tempos e Espaços em Educação desde 2014. Coordenador Adjunto do Fórum de Editores de Periódicos da Área de Educação - FEPAE/ANPED. Editorial Board - Portuguese da Revista Education Review da Arizona State University, Estados Unidos. Visiting Research Fellow no Centre for the Study of Women and Gender da University of Warwick, Reino Unido (2018). Desenvolve pesquisa e extensão nos seguintes temas: Gênero, Sexualidades e Educação; Formação docente e Diferença; Estudos Curriculares Pós-críticos; Estudos Queer e Educação. Pedagogias Queer

Referências

AGÊNCIA BRASIL. Negras são 28% dos brasileiros, mas têm baixa participação política: em 2016, 3,2 % das prefeitas eleitas eram mulheres negras, publicado em 07/10/2020 - 08:00 por Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil – Brasília, 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/eleicoes-2020/noticia/2020-10/negras-sao-28-dos-brasileiros-mas-tem-baixa-participacao-politica Acesso em: 30 de ago. de 2021

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018

ALMEIDA, S. L. Racismo Estrutural. São Paulo, Pólen Livros, 2019

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa/Portugal: Edições 70, 1977.

CERQUEIRA, D. et. al. Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro: Ipea e FBSP, 2018.

CNPq. Distribuição percentual dos pesquisadores por sexo segundo a condição de liderança. 2014. Disponível em: <https://encurtador.com.br/ciwxD> Acesso em: 09 set. 2020

CNPQ. Parte II - As negras e os negros nas bolsas de formação e de pesquisa do CNPq, 2015 Disponível em: Acesso em: 09 set. 2020

CNPQ. Quantitativos de bolsas: por sexo, 2019. Disponível em: Disponível em: Acesso em: 09 set. 2020

COELHO, W. N. B.; BRITO, N. J. C. Dez anos da lei n. 10.639/2003 e a formação de professores e relações raciais em artigos (2003/2013): um tema em discussão. Práxis educacional, v. 16, p. 19-42, 2020.

COELHO, W. N. B.; COELHO, M. C. Os conteúdos étnico-raciais na educação brasileira: práticas em curso. Educar em revista, p. 67-84, 2013.

COELHO, W. N. B.; DIAS, S. B. Relações raciais na escola: entre legislações e coordenações pedagógicas. Revista ABPN, v. 12, p. 46-67, 2020

DAVIS, A. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016

DAVIS. A. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo, 2017

DAVIS, Angela. Quando a mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela. El País [Internet], 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/07/27/politica/1501114503_610956.html Acesso em: 31 de ago. 2021

DEMIER, F.; HOEVELER, R. (org.) A onda conservadora: ensaios sobre os atuais tempos sombrios no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

DIAS, G. R. M.; TAVARES JUNIOR, P. R. F. (Orgs.). Heteroidentificação e cotas raciais: dúvidas, metodologias e procedimentos. Canoas: IFRS campus Canoas, 2018,

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GALLEGO, E. S. (org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

GÊNERO E NÚMERO. Menos de 3% entre docentes da pós-graduação, doutoras negras desafiam racismo na academia. 2018. Disponível em: Acesso em 12 set. 2020

GOMES, N. L. A compreensão da tensão regulação/emancipação do corpo e da corporeidade negra na reinvenção da resistência democrática. PERSEU: História, Memória e Política, v. 1, p. 123-142, 2019.

GOMES, N. L. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Brasília: Ministério da Educação, 2005.

GOMES, N. L. Libertando-se das amarras: reflexões sobre gênero, raça e poder. Currículo sem Fronteiras, v. 19, p. 609-627, 2019c.

GOMES, N. L. O movimento negro brasileiro indaga e desafia as políticas educacionais. Revista ABPN, v. 11, p. 141-162, 2019b.

GOMES, N. L. O movimento negro no Brasil: ausências, emergências e a produção de saberes. Política & Sociedade, v. 10, p. 133-154, 2011

IBGE. Cor ou raça, IBGE Educa, 2015. Disponível em: <https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18319-cor-ou-raca.html> Acesso em 31 de ago. de 2021.

IBGE. Quantidade de homens e mulheres, IBGE Educa, 2018. Disponível em: <https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/18320-quantidade-de-homens-e-mulheres.html> Acesso em 31 de ago. de 2021.

IBGE. Desemprego. 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/explica/desemprego.php Acesso em 31 de ago. de 2021.

INFOMONEY. Lista de bilionários brasileiros da Forbes ganha 42 nomes em 2021; conheça os novos ricaços. 30 ago 2021 12h15. Disponível em: https://www.infomoney.com.br/minhas-financas/lista-de-bilionarios-brasileiros-da-forbes-ganha-42-nomes-em-2021-conheca-os-novos-ricacos/ Acesso em 31 de ago. de 2021.

MBEMBE, A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. 8ª reimpressão. São Paulo: n-1 edições, 2020.

MORETTO, L.; NASCIMENTO, M. I. M. O Olhar Feminino e Infantil em Marx: Implicações Educacionais Marxianas Sobre a Condição das Mulheres e das Crianças nas Fábricas. In: IV SEMINÁRIO INTERNACIONAL DESAFIOS DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NO SÉCULO XXI, 2019, Uberlandia. Anais... Uberlância, SP, 2019.

NASCIMENTO, I. P. De que família estamos falando? entre o ideal e o vivido. Nuances, v. 20, p. 195-206, 2009.

NASCIMENTO, I. P.; MORAES, F. K. Adolescentes grávidas acompanhadas em uma unidade de saúde da família: análise de suas representações sociais sobre a escola. Adolescência & Saúde, v. 08, p. 27--34, 2011.

NASCIMENTO, M. I. M.; ALMEIDA, A. C.; DALL'LGANA, M. B. Iconografias da Arte Indígena Guarani e Kaingang do Sudoeste do Paraná: propósito para a memória das minorias étnicas. In: IX SIMPÓSIO INTERNACIONAL PROCESSO CIVILIZADOR, Tecnologia e Civilização, 2005, Ponta Grossa. Anais... Ponta Grossa-PR: Cefet, 2005.

NASCIMENTO, M. N. M.; NASCIMENTO, M. I. M. . Educação, Relações Étnico-raciais e Formação de Professores. In: CASIMIRO, A, P; AGUIAR, I. P. (Orgs.). Etnia e Educação. Campinas - SP: Alínea, 2012, p. 31-40.

NUNES, G. H. L. Autodeclarações e comissões: responsabilidade procedimental dos/as gestores/as de ações afirmativas. In.: DIAS, G. R. M.; TAVARES JUNIOR, P. R. F. (Orgs.). Heteroidentificação e cotas raciais: dúvidas, metodologias e procedimentos. Canoas: IFRS campus Canoas, 2018, p. 11-31.

SANTOS, F. D. Prefácio. In.: DIAS, G. R. M.; TAVARES JUNIOR, P. R. F. (Orgs.). Heteroidentificação e cotas raciais: dúvidas, metodologias e procedimentos. Canoas: IFRS campus Canoas, 2018, p. 06-10.

SILVA, I. P. Em busca de significados para a expressão “Ideologia de Gênero”. Educação em Revista, v. 34, 2018.

SILVA, I. R. Biografias negras e indígenas do Amazonas? Desafios para inclusão e respeito à pessoa humana em tempos de luta pela cidadania e democracia. In: MASCARENHAS, S. A. N.; ARAÚJO, J. (Org.). Desafios para o exercício da cidadania, qualidade de vida e inclusão sócio econômica na Amazônia. São Paulo: Loyola, 2017, v. 1, p. 322-339.

SOUZA, D. C.; SILVA, I. R.; HONORATO, E. J. S. Violência na intimidade de jovens ? Reflexões a luz da literatura. Interfaces Científicas - Humanas E Sociais, v. 8, p. 37-50, 2020

SOUZA, N. L.; ZANLORENZE, M. J.; NASCIMENTO, M. I. M. A Escola Normal de Curitiba e o ingresso de mulheres. In: IX SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL, 2012, Paraíba. Anais... Paraíba: Universidade Estadual da Paraíba, 2012. v. 1. p. 1-100.

TELES, E. A produção do inimigo e a insistência do Brasil violento e de exceção. In.: GALLEGO, E. S. (org.). O ódio como política: a reinvenção da direita no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018, p. 65-72.

UCHOA, K. P.; et al. Meaning of gender relations produced by adolescents of a public school. Psicologia da educação, v. 1, p. 35-44, 2019.

VAZ, L. M. S. S. As comissões de verificação e o direito à (dever de) proteção contra a falsidade de autodeclarações raciais. In.: In.: DIAS, G. R. M.; TAVARES JUNIOR, P. R. F. (Orgs.). Heteroidentificação e cotas raciais: dúvidas, metodologias e procedimentos. Canoas: IFRS campus Canoas, 2018, p. 32-79.

VEJA. Projeto quer – finalmente – cobrar imposto de donos de jatinhos e iates. Por Manoel Schlindwein Atualizado em 17 fev 2021, 13h23 - Publicado em 17 fev 2021, 18h30 Disponível em: https://veja.abril.com.br/blog/radar/projeto-quer-finalmente-cobrar-imposto-de-donos-de-jatinhos-e-iates/

WEIGEL, V. A. C. M.; et al. Estudantes indígenas amazônicos e suas fronteiras nas cidades. In: FÁVERO, O.; PINHEIRO, M. G. S. P. (Org.). Diversidade na Educação de Jovens e Adultos. Manaus: EDUA, 2012, v. 1, p. 11-50.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

Silva, I. P. da, & Dias, A. F. (2021). Desigualdades de Gênero e Raça na Pesquisa em Educação: quem são e o que pesquisam as mulheres negras bolsistas de produtividade do CNPq?. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 960–990. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.5528