Experimentação-com-Scratch no processo de resolução de problemas matemáticos e computacionais

Visualizações: 174

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.5586

Palavras-chave:

Educação matemática, Resolução de problemas, Tecnologia digital, Experimentação

Resumo

A experimentação possibilita a exploração empírica de alguns conceitos matemáticos, valorizando diferentes formas de raciocínio e representação. Neste artigo, apresenta-se características da experimentação realizada por estudantes do nono ano do Ensino Fundamental, ao se engajarem na resolução de problemas matemáticos e computacionais com uso do Scratch. O estudo se apoia nas ideias de Alan Schoenfeld, sobre a tomada de decisão em atividades orientadas por objetivos, e no construto seres-humanos-com-mídias, sobre o papel das mídias no pensamento e na produção do conhecimento. Os dados foram produzidos com duas duplas de estudantes que participaram de encontros de Experimento de Ensino, nos quais eles interagiram com simulações de construção de padrões para realizar diferentes atividades. Os registros produzidos foram gravações e diário de campo, também houve coleta da produção escrita dos estudantes. A análise ocorreu por meio de procedimentos qualitativos. A experimentação se deu por meio de teste e depuração de ideias, evidenciando a dinamicidade e o potencial de visualização da simulação. Como resultados, são apresentados quatro episódios críticos que evidenciam a maneira como estudantes experimentavam com números com sentido de localização, revelando seus entendimentos sobre números inteiros negativos; com sentido de ângulo, evidenciando seus entendimentos sobre o círculo trigonométrico; e com sentido de quantidade, explorados conjuntamente com ideias de contagem e de estimativa. Em conclusão, pontua-se que a experimentação possibilitou a exploração de conceitos matemáticos empiricamente, e a mobilização de diversos recursos, evidenciando o pensamento com a simulação.

Biografia do Autor

Rita de Cássia Idem, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Formada em Licenciatura em Ciências Exatas com habilitação em Matemática pela Universidade de São Paulo. Possui mestrado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus de Rio Claro. Atualmente, é doutoranda do programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da UNESP-Rio Claro Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática.

Ricardo Scucuglia Rodrigues da Silva, Universidade Estadual Paulista (Unesp)

Professor Associado do Departamento de Educação da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Campus São José do Rio Preto, SP (IBILCE). Docente do Programa de Graduação em Educação Matemática da UNESP (IGCE). Docente e coordenador Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Ensino e Processos Formativos da UNESP (IBILCE-FEIS-FEG).

George Gadanidis, Western University (UWO)

Professor da Faculdade de Educação da Western University, Ontário, Canadá, e membro do Fields Institute for Research in Mathematical Sciences. Tem dedicado de 50 a 60 dias do ano em salas de aula para desenvolver pesquisa em colaboração com professores, buscando oferecer melhores experiências matemáticas para crianças. Suas pesquisas exploram interlocuções envolvendo educação matemática, tecnologias e artes, visando promover, para estudantes e professores, experiências voltadas ao prazer relacionado à surpresa e ao insight matemático.

Referências

ARZARELLO, F. Prefácio. In: BAIRRAL, M.; ASSIS, A.; SILVA, B. C. Mãos em ação em dispositivos touchscreen na educação matemática. Seropédica: Edur UFRJ, 2015. p. 7-10.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Qualitative Research for Education: An Introduction to Theory and Methods. 5. ed. Boston: Pearson, 2007.

BORBA, M. C.; VILLARREAL, M. E. Humans-with-media and the reorganization of mathematical thinking: information and communication technologies, modeling, visualization, and experimentation. New York: Springer Science, 2005.

BORBA, M. C.; SCUCUGLIA, R.; GADANIDIS, G. Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

BRENNAN, K.; RESNICK, M. New frameworks for studying and assessing the development of computational thinking. In: ANNUAL MEETING OF THE AMERICAN EDUCATIONAL RESEARCH ASSOCIATION, 70., 2012, Vancouver. Proceedings [...]. Vancouver: AERA, 2012. p. 1-25.

CRESWELL, J. W. Qualitative Inquiry & Research Design: Choosing Among Five Approaches. 2. ed. Lincoln: Sage, 2007.

DE VILLIERS, M. Experimentation and Proof in Mathematics. In: HANNA, G.; JAHNKE, H. N; PULTE, H. (ed.), Explanation and Proof in Mathematics: Philosophical and educational perspectives. New York: Springer, 2010. p. 205-221.

DREYFUS, T.; EISENBERG, T. On Different Facets of Mathematical Thinking. In: STERNBERG, R. J.; BEN-ZEEV, T. (ed.). The Nature of Mathematical Thinking. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 1996. p. 253-284.

GADANIDIS, G.; YIU, C. Repeating Patterns + Code + Art .... Math Surprise: Conceptual, Emotional, Engaging, London, v. 2, 201-. Disponível em: https://mathsurprise.ca/apps/patterns/v2/. Acesso em: 20 out. 2019.

LÉVY, P. As Tecnologias da Inteligência: O Futuro do Pensamento na Era da Informática. Tradução: Carlos Irineu da Costa. São Paulo: 34, 1993.

ONUCHIC, L. R. Ensino-Aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas. In: BICUDO, M. A. V. (org.). Pesquisa em Educação Matemática. São Paulo: Editora UNESP, 1999. p. 199-220.

POWELL, A. B.; FRANCISCO, J. M.; MAHER, C. A. Uma Abordagem à Análise de Dados de Vídeo para Investigar o Desenvolvimento das Idéias Matemáticas e do Raciocínio de Estudantes. Bolema, Rio Claro, v. 17, n. 21, p. 1-47, mai. 2004. Disponível em: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/10538. Acesso em: 12 jun. 2019.

SCUCUGLIA, R.; GADANIDIS, G.; RONDINI, C. A.; BORBA, M. C.; HUGHES, J. M. Pensamento Computacional-Sensível de Professores de Matemática em Formação Inicial sobre Nested Loops. Perspectivas da Educação Matemática, Campo Grande, v. 13, n. 32, 5 ago. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.46312/pem.v13i32.10025. Acesso em: 3 out. 2020.

SCHOENFELD, A. H. Mathematical Problem Solving. Orlando: Academic Press, 1985.

SCHOENFELD, A. H. Learning to think mathematically: Problem solving, metacognition, and sense-making in mathematics. In: GROUWS, D. (ed.). Handbook for Research on Mathematics Teaching and Learning. New York: MacMillan, 1992. p. 334-370.

SCHOENFELD, A. H. Reflections on doing and teaching mathematics. In: SCHOENFELD, A. H. (ed.). Mathematical Thinking and Problem Solving. New York: Routledge, 1994. p. 53-69.

SCHOENFELD, A. H. How we think: A Theory of Goal-Oriented Decision Making and its Educational Applications. New York: Routledge, 2011.

SOUTO, D. L. P.; BORBA, M. C. Seres humanos-com-internet ou internet-com-seres humanos: uma troca de papéis? Revista Latinoamericana de Investigación em Matemática Educativa, Ciudad de México, v. 19, n. 2, p. 1-26, 2016. Disponível em: http://www.rc.unesp.br/gpimem/downloads/artigos/souto_borba/seres_humanos_com_internet.pdf. Acesso em: 2 fev. 2020.

STEFFE, L. P.; THOMPSON, P. W. Teaching experiment methodology: Underlying principles and essential elements. In: LESH, R.; KELLY, A. E. (ed.). Research design in mathematics and science education. Hillsdale: Erlbaum, 2000. p. 267-307.

TIKHOMIROV, O. K. The psychological consequences of computerization. In: WERTSCH, J. V. (ed.). The Concept of Activity in Soviet Psychology. New York: M.E. Sharpe, 1981. p. 256-278.

WING, J. M. Computational thinking and thinking about computing. Philosophical Transactions of the Royal Society A: Mathematical, Physical and Engineering Sciences, London, v. 366, n. 1881, p. 3717-3725, 2008. Disponível em: https://www.cs.cmu.edu/~wing/publications/Wing08a.pdf. Acesso em: 17 jan. 2020.

Downloads

Publicado

30-08-2022

Como Citar

Idem, R. de C., Silva, R. S. R. da, & Gadanidis, G. (2022). Experimentação-com-Scratch no processo de resolução de problemas matemáticos e computacionais. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.5586