Os desafios internos e externos para a expansão dos Institutos Federais (IFs) enquanto política educacional: uma pesquisa de egressos.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.6061

Palavras-chave:

Institutos Federais, Educação Profissional e Tecnológica, Políticas educacionais, Egressos.

Resumo

RESUMO: O presente artigo tem como objetivo refletir sobre os principais desafios da expansão e consolidação dos IFs (Institutos Federais de Ciência e Tecnologia), criados a partir da Lei n. 11.892/2008. O artigo terá como base os dados parciais de uma pesquisa de doutorado que trata a inserção social, acadêmica profissional dos estudantes do ensino médio integrado do IFPR. A partir do itinerário desses estudantes egressos, o objetivo é lançar um olhar sistematizado e prospectivo sobre os desafios dessa política na atualidade, quais sejam: o processo de senaização (FRIGOTTO, 2021) da EPT (Educação profissional e tecnológica), a agenda ultraliberal de ataques às políticas sociais do governo atual, o processo de uberização do trabalho (ANTUNES, 2018) trazidos pela indústria 4.0. Filiamo-nos ao referencial teórico do materialismo histórico, dado que é impossível pensar as disputas acerca da educação profissional e tecnológica descoladas do processo de industrialização brasileiro, que sempre propalou uma educação dual (RAMOS, 2014). A pesquisa revelou, até o presente momento que, mesmo com as contradições imanentes da política dos IFs, a mesma tem um impacto significativo na vida de muitos jovens, que através de suas narrativas por meio de questionário, revelam as transformações em suas trajetórias pessoais e sociais.

Palavras-chave: Institutos Federais, Educação Profissional e Tecnológica, Políticas educacionais, Egressos.

Biografia do Autor

Joel Junior Cavalcante, IFPR (DOCENTE)/ UFMS (DOUTORANDO).

Graduado e mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), doutorando em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Fez estágio doutorado sanduíche como estudante convidado na Università Degli Studi di Perugia (UNIPG)-Umbria, Itália. É professor efetivo de Sociologia do Instituto Federal do Paraná (IFPR-campus Astorga).

Referências

ANTUNES, R. O privilégio da servidão, o novo proletariado de serviços na era digital. - 1. ed. - São Paulo, Boitempo, 2018.

ANTUNES, R. Uberização, trabalho digital e Indústria 4.0/ Arnaldo Mazzei Nogueira (et al.); organização Ricardo Antunes; tradução Murillo van der Laan, Marco Gonsales)-1.ed.-São Paulo: Boitempo, 2020.

AZEVEDO, Luiz Alberto.; SHIROMA, Oto.; COAN, Marival. As políticas públicas para a Educação Profissional e Tecnológica: sucessivas reformas para atender a quem. B. Téc. Senac: a R. Educ. Prof., Rio de Janeiro, v. 38, n. 2, p. 27-40, 2012.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 28 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11892.htm. Acesso em 27 Jan 2021.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Estabelece alteração de itens lei Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em 28 Jan 2021.

BRASIL, Resolução 01/2021. CNE/CP. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Profissional e Tecnológica. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-cne/cp-n-1-de-5-de-janeiro-de-2021-297767578. Acesso em: 28 Jan 2021.

CIAVATTA, Maria. Ensino Integrado, a Politecnia e a Educação Omnilateral: por que lutamos? Revista Trabalho & Educação, v. 23, n. 1, p. 187–205, 2014. Disponível em: <https://seer.ufmg.br/index.php/trabedu/article/view/9303>.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Apresentação. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: relação com o ensino médio integrado e o projeto societário de desenvolvimento. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2018a, p.7-14.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Alteração nas Diretrizes Curriculares para a EPT- O que isso nos afeta? Live SindiCefet-Mg, 2021. You Tube. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=MViXebfTPMI>. Acesso em: 4 de Fev de 2021.

OLIVEIRA, D. A. As políticas educacionais no governo Lula: rupturas e permanências. RBPAE, Porto Alegre, v. 25, n.2, p. 197-209, mai./ago. 2009a.

NETTO, João Paulo. Introdução ao método na teoria social. Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília: Cfess/Abepss, p. 667-700, 2009.

PACHECO, Eliezer. Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília: Fundação Santillana; São Paulo: Moderna, 2011.

PRATES, J. C. O método marxiano de investigação e o enfoque misto na pesquisa social; uma relação necessária. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 1, p. 116-128, 2012.

RAMOS, Marise Nogueira. História e política da educação profissional. 1ª edição. Coleção Formação Pedagógica. Volume V. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2014. Disponível em: <http://curitiba.ifpr.edu.br/wp-content/uploads/2016/05/Hist%C3%B3ria-e-pol%C3%ADtica-da-educa%C3%A7%C3%A3o-profissional.pdf>. Acesso em: 17 de Jul de 2020.

SAVIANI, Dermeval. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 1989.

SHIROMA, Eneida Oto; MORAES, Maria Célia M. e EVANGELISTA, Olinda. Política Educacional. 4 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2007. 144p. ISBN: 85-7490-284-5.

SINGER, A. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo, Cia. das Letras, 2012.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

Cavalcante, J. J. (2022). Os desafios internos e externos para a expansão dos Institutos Federais (IFs) enquanto política educacional: uma pesquisa de egressos. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.6061