Ensinar e Aprender Língua Portuguesa na Amazônia: ensaio sobre os desafios de uma política de ensino voltada às especificidades da escola em comunidades tradicionais

Visualizações: 21

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v14i40.6063

Palavras-chave:

Magistério extrativista. Interculturalidade. Didática de línguas. Inovação teórico-metodológica.

Resumo

Este trabalho propõe uma reflexão sobre os desafios de uma pedagogia extrativista na área da linguagem a partir de experiências vivenciadas em um projeto de formação de professores realizado pela Universidade Federal do Pará na Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio, na Terra do Meio, município de Altamira, Oeste do Pará. Seu objetivo precípuo é evidenciar a possibilidade de implementação de uma proposta formativa fundamentada em uma perspectiva intercultural e contra hegemônica a partir de uma ‘didática da língua’ que, de fato, produza efeitos de aprendizagem condizentes com as necessidades dos estudantes. A metodologia utilizada caracteriza-se por uma heterodoxia marcada pela busca de elementos potencializadores da reflexão: análise documental, imersão, observação participante e entrevistas. Os resultados preliminares indicam acertos na escolha dos procedimentos teórico-metodológicos adotados pelo Projeto – evidenciados, sobretudo, pelos avanços de aprendizagem demonstrados pelos estudantes –, mas apontam também riscos potenciais ao desenvolvimento de habilidades sociolinguísticas em caso de descontinuidade da oferta de educação escolar na referida área de conservação.

Biografia do Autor

Raquel da Silva Lopes, Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Altamira - Faculdade de Etnodiversidade/Curso de Educação do Campo

Doutorado em Ciências Sociais/Antropologia pela Universidade Federal do Pará, em co-tutela com a Universidade Paris 13. Professora de Sociolinguística da Faculdade de Etnodiversidade da Universidade Federal do Pará (UFPA) Câmpus Universitário de Altamira. Lattes: http://lattes.cnpq. br/8883608553718284. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1266-5785. E-mail: rapoles@ufpa.br

Irlanda do Socorro Oliveira Miléo, Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Altamira - Faculdade de Etnodiversidade/Curso de Educação do Campo

Professora Adjunta da Universidade Federal do Pará/Campus de Altamira/Faculdade de Educação, desenvolve pesquisas na área de politicas educacionais, trabalho docente, currículo e avaliação.

Referências

ARROYO, Miguel G. Outros Sujeitos. Outras Pedagogias. Petrópolis, RJ : Vozes, 2012.

BAGNO. Marcos. Nada na língua é por acaso: por uma pedagogia da viação linguística: São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BARROS, R. D. B.; PASSOS, E. A Cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virginia & ESCÓSSIA, Liliana da. (Orgs.). Pistas do método de cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. 1a ed. Porto Alegre: Sulina, 2009.

BEZERRA, M. A. Ensino de língua e contextos teórico-metodológicos. In: DIONÍSIO, Â. P.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros textuais & ensino. 4. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

BONETI, L. W. Políticas públicas por dentro. Ijuí: Unijuí, 2006

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós chegamu na escola, e agora? Sociolinguística & educação. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de Julho de 2000. Regulamenta o artigo 225, § 1º,incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Ministério do Meio Ambiente, Brasília. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9985.htm>. (Acesso em 10/03/2020).

BRASIL, Ministério do Meio Ambiente. Plano de Manejo Participativo da Resex Riozinho do Anfrísio – ICMBio. 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação, Brasília, DF: MEC, 2018.

CANDAU, Vera M. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 2, p. 240-255, 2011. __

____

CANDAU, Vera M. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. In: CANDAU, V. M. (Org.). Educação intercultural na América Latina: entre concepções, tensões e propostas. Rio de janeiro: 7 Letras, 2009. p. 154-173.

CERUTTI-RIZZATTI, Mary Elizabeth (Org.) Linguagem e escolarização. Florianópolis: Editora Insular, 2013.

CARVALHO, M. A. F. de; MENDONÇA, R. H. (Org.). Práticas de leitura e escrita. Brasília: MEC / Secretaria de Educação a Distância, 2006.

GIMONET, Jean Claude. Praticar e compreender a pedagogia da alternância dos CEFFAs. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

KLEIMAN, Angela B. Professores e agentes de letramento: identidade e posicionamento social. Filol. linguíst. port., n. 8, p. 409-424, 2006.

KLEIMAN, Angela. Oficina de Leitura: Teoria e Prática. 9º ed. – Campinas, SP: Pontes. 2002.

OLIVEIRA, Assis da Cunha; PARENTE, Francilene de Aguiar; DOMINGUES, William César Lopes. Pedagogia da Alternância e(m) Etnodesenvolvimento: realidade e desafios. In. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 42, n. 4, p. 1545-1565, out./dez. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/2175-623663216

SACAVINO, Susana. Interculturalidade e Educação: desafios para a reinvenção da escola. In: XVI Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino, ENDIPE - 23 a 26 de julho de 2012, FE/UNICAMP, Campinas.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

SPÓSITO, Marilia Pontes. A ilusão fecunda: a luta por educação nos movimentos sociais. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1993.

UFPA/CAMPUS DE ALTAMIRA. Projeto de formação de professores extrativistas da Terra do Meio – Magistério. Altamira/PA, 2014. (Mimeo).

VELÁSQUEZ, C.; BOAS, A. V. & SCHWARTZMAN, S. Desafio para a gestão ambiental integrada em território de fronteira agrícola no oeste do Pará. Revista de Administração Pública, 40 (6): 1061-1075, 2006.

Downloads

Publicado

06-11-2023

Como Citar

Lopes, R. da S., & Miléo, I. do S. O. (2023). Ensinar e Aprender Língua Portuguesa na Amazônia: ensaio sobre os desafios de uma política de ensino voltada às especificidades da escola em comunidades tradicionais. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(40). https://doi.org/10.26514/inter.v14i40.6063