“Eu penso que o nosso está a nossa cara”:

o currículo escolar indígena como um projeto de educação intercultural

Visualizações: 19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7519

Palavras-chave:

Educação indígena, Práticas educativas, Currículo intercultural, Professores indígenas

Resumo

O artigo analisa os movimentos de resistência dos professores pataxó na elaboração de um currículo intercultural, frente às práticas coloniais do sistema de ensino. A pesquisa está situada entre os estudos de educação e currículo intercultural, alinhados à pedagogia crítica, ampliada pelos estudos decoloniais. O material empírico foi principalmente coletado em ambiente virtual, com mediação tecnológica digital, devido à pandemia do Covid-19, incluindo uma incursão presencial em território indígena. O material envolve encontros virtuais para a criação do currículo e entrevistas com dois professores pataxó. À luz das abordagens teóricas, analisamos as práticas educativas na perspectiva freireana e adotamos two-eyed seeing methodology, que nos permitiu diferentes olhares sobre o currículo intercultural, no qual o Ritual da Lua Cheia é a principal prática ancestral. No andamento do processo de elaboração do currículo, os professores realizam movimentos de resistência contra o colonialismo, em vista das relações estabelecidas entre as diferentes racionalidades em disputa: a educação ocidental — capitalismo neoliberal — versus a educação ancestral. Entretanto, eles se posicionam politicamente pela conciliação como forma de enfrentamento de colonialidades. Sendo assim, eles incorporam no currículo algumas práticas de fora que ajudam a conectar a escola indígena Pataxó, diferenciando-a no sistema de ensino.

Biografia do Autor

Vanessa Tomaz, Universidade Federal de Minas Gerais

Licenciada em Matemática pela Universidade Federal de Minas Gerais (1986), mestre em Educação (2002) e doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (2007). Pós-doutora pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS-RS, incluindo estágio de pesquisa no Center for Research on Activity, Development and Learning (CRADLE) - University of Helsinki (2016). Atualmente é professora associada do Departamento de Métodos e Técnicas da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais e do Programa de Pós-graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social, da Faculdade de Educação-UFMG, desenvolvendo pesquisas também no Centro de Educação da Universidade Federal do Espirito, como pesquisadora visitante. Atuou como coordenadora da linha de pesquisa em Educação Matemática do Programa de pós-graduação em Educação da FaE-UFMG. Atua como professora do Curso de Licenciatura em Formação Intercultural para Educadores Indígenas - FIEI e como coordenadora institucional do Curso de pós-graduação Lato Sensu em Formação de Professores da Educação Básica (LASEB), onde também desenvolve pesquisas sobre aprendizagem escolar e desenvolvimento. Participa do Grupo de pesquisa em Teoria da Atividade Histórico-cultural na pesquisa em Educação (CHATER), desenvolvendo pesquisas sobre aprendizagem matemática dentro da perspectiva da teoria da atividade histórico-cultural com foco: nas práticas matemática em sala de aula, em diferentes contextos escolares, interdisciplinaridade e docência na Educação Básica e Superior. Coordena o Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Escolar Intercultural Indígena - GEPEEI, liderando a Rede de Pesquisa Hãm Yĩkopit (Perguntar à terra) com membros indígenas Maxakali de Água Boa e não-indígenas. Orienta pesquisa de graduação, mestrado e doutorado na temática Educação Matemática e Educação intercultural indígena, devolvendo metodologias de pesquisa indígena, em uma perspectiva inter-epistêmica como forma de decolonizar o campo acadêmico, e em parceria com pesquisadores indígenas e não indígenas de universidades brasileiras e estrangeiras. Ela também participa de projetos sociais que buscam garantir os direitos indígenas, participa de comitês para apoiar os indígenas na educação indígena e contra a pandemia de Covid-19.

Referências

ALVAREZ LEITE, Lúcia Helena; CARVALHO, Paulo Felipe Lopes de; RAMALHO, Bárbara Bruna Moreira. A Educação como prática de liberdade: uma perspectiva decolonial sobre a escola. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 35, 2019. (Dossiê - Paulo Freire: o legado global).

ARAUJO, Rosilene Cruz de. O currículo enquanto espaço de construção da identidade e diálogo de saberes indígenas. In: COSTA, Rodriana Dias Coelho; SANTOS, Edinei Carvalho dos; SILVA, Kleber Aparecido da (org.). Educação intercultural, letramentos de resistência e formação docente. Campinas: Editora da Abralin, 2021, p. 27-49. (Altos estudos em linguística; livro eletrônico).

BAHIA. Secretaria de Educação. Implementação do Novo Ensino Médio Bahia. Documento orientador Rede Pública de Ensino. Salvador: SEEB, 2020.

BARRA VELHA. Currículo do Ensino Médio da Escola Indígena Pataxó de Barra Velha. Em elaboração. 2020.

BARTLETT, Cherly; MARSHALL, Albert; MARSHALL, Murdena. Two-eyed seeing and other lessons learned within a co-learning journey of bringing together indigenous and mainstream knowledges and ways of knowing. Journal of Environmental Studies and Sciences, v. 2, 2012, p. 331–340.

BRASIL Ministério de Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referenciais para a formação de professores indígenas. Brasília: MEC; SEF, 2002, 84p.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – Ensino Médio. Brasília: MEC, 2018.

BOTHA, Louis; GRIFFITHS, Dominic; PROZESKY, Maria. Epistemological decolonization through a relational knowledge-making model. Africa Today, v. 67, n. 4, 2021.

CARVALHO, Maria Vilani Cosme de; MARQUES, Eliana de Souza Alencar. O significado histórico de práticas educativas: um movimento que vai do clássico ao contemporâneo. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, ano 21, n. 35, jul.-dez. 2016.

ERAHSTO, Felicio; FERREIRA, Joelson. Por terra e território: caminhos da revolução dos povos no Brasil. Arataca (BA): Teias dos Povos, 2021.

FERREIRA DA SILVA, Gilberto; MUSBERG, João Alberto Steffen. Interculturalidade na perspectiva da descolonialidade: possibilidades via educação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 13, n. 1, p. 140-154, jan.-mar. 2018.

FERREIRA, Marília de Nazaré de Oliveira; QUARESMA, Francinete de Jesus Pantoja. Os povos indígenas e a educação. Revista Práticas de Linguagem, v. 3, n. 2, p. 234-246, 2013.

FLEURI, Reinaldo Matias. Educação intercultural: a construção da identidade e da diferença nos movimentos sociais. Perspectiva, Florianópolis. p. 405-423, jul.-dez. 2002.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 2. Edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1992.

GASCHÉ, Jorge. Niños, maestros, comuneros y escritos antropológicos como fuentes de contenidos indígenas escolares y la actividad como punto de partida de los procesos pedagógicos interculturales: un modelo sintáctico de cultura. In: GASCHÉ, J.; M. Bertely y R. Podesta (Eds.) Educando en la diversidad. Investigaciones y

experiencias educativas interculturales y bilingües. México: Paidos, 2004.

GEBER, Saulo Pfeffer. As práticas educativas dos agentes culturais em um programa de educação integral. 2015. Tese (Doutorado em Educação) — Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 80, mar. 2008, p. 115-147.

HAESBAERT, Rogério. Território e descolonialidade: sobre o giro (multi)territorial/ de(s)colonial na “América Latina”. Buenos Aires: CLACSO; Niterói: Programa de Pós-graduação em Geografia, Universidade Federal Fluminense, 2021. (Livro digital, PDF).

LEE MORGAN, Jenny Bol Jun; SANTOLO, Jason de; XIIEM, Jo-ann Archibald Q’um Q’um. Decolonizing Research: indigenous storywork as methodology. London: Zed Books, 2019.

LUCIANO, Gersem José dos Santos. Educação indígena no país e o direito de cidadania plena. Retratos da Escola, Brasília, v. 7, n. 13, p. 345-357, jul.-dez. 2013.

LUCIANO, Gersem José dos Santos. Os saberes indígenas e a escola — É possível e desejável uma escola indígena diferenciada e intercultural? In: XV ENDIPE – Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: políticas e práticas educacionais. Apresentação oral. Belo Horizonte, 20-23 abr. 2010, p. 1-12.

NASCIMENTO, Dalton dos Santos. Liderança Adalton Pataxó: memórias, saberes, lutas e conquistas. 2022. 133 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Formação Intercultural Para Educadores Indígenas, Habilitação em Matemática.) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, 2022.

QUAIS os caminhos para a escola sonhada? Rio Grande do Sul: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 11 mar. 2021. 1 vídeo (2h 24min 15s). Publicado por: Saberes Indígenas UFRGS. Participação de Rita Gomes do Nascimento. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=-YBst5erF_U&t=2241s. Acesso em: 15 mar. 2021.

RESENDE et al. Diálogos e Experiência do Calendário Socioecológico: povos indígenas de Minas Gerais e Bahia. In: III Reunião Equatorial de Antropologia (REA) e XII Encontro de Antropólogos do Norte e do Nordeste (ABANNE), Boa Vista, 14-17 ago. 2011.

SARTORELLO, Stefano Claudio. La co-teorización intercultural de un modelo educativo en Chiapas, México. Quito: Editorial Abya-Yala, 2016.

SAUL, Ana Maria. Currículo. In: REDIN, Euclides; STRECK, Danilo R; ZITKOSKI, Jaime José (org.). Dicionário Paulo Freire. 2. ed. rev. amp. Belo Horizonte: Autêntica, 2010, p. 109-110.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às Teorias de Currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica. 2010.

TUHIWAI SMITH, Linda. Descolonizando metodologias: pesquisa e povos indígenas. Tradução Roberto G. Barbosa. Curitiba: Ed. UFPR, 2018.

WALSH, Catherine. Gritos, gretas e semeaduras de vida: entreteceres do pedagógico e do colonial. In: SANTOS, Luciano Costa; SOUZA, Sueli Ribeiro Mota (org.). Entre-linhas: educação, fenomenologia e insurgência popular. Salvador: EDUFBA, 2019. (Entre-linhas, v. 6).

WALSH, Catherine. Interculturalidad crítica y educación intercultural. In: VIAÑA, Jorge; TAPIA, Luis; WALSH, Catherine. Construyendo Interculturalidad Crítica. La Paz: Instituto Internacional de Integración del Convenio Andrés Bello, 2010.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, estado, sociedad: luchas (de)coloniales de nuestra época. Quito: Universidad Andina Simon Bolivar; Abya-Yala, 2009.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, jul.-dez. 2008, p. 131-152.

Downloads

Publicado

11-01-2024

Como Citar

Martins, D., & Tomaz, V. (2024). “Eu penso que o nosso está a nossa cara”:: o currículo escolar indígena como um projeto de educação intercultural. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(41). https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7519

Edição

Seção

Artigos Temáticos