A Educação escolar Avá-Guarani e sua relação com a pedagogia de Paulo Freire:

uma análise historiográfica relativa às décadas de 1980-1990

Visualizações: 14

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7533

Palavras-chave:

Educação escolar Indígena; Avá-Guarani; Intercultural; Libertadora; Decolonial.

Resumo

O presente artigo se debruça em estabelecer apontamento sobre a relação entre o pensamento pedagógico de Paulo Freire e a prática de uma comunidade indígena do povo Avá-Guarani, na região Oeste do estado do Paraná, entre a década de 1980 até meados da década de 1990. O artigo percorre um caminho historiográfico situando o contexto da violência institucional e violações de direitos a que passou esse povo indígena, com a proposta de conceber a educação escolar como elemento integrador da comunidade, pela qual buscavam a alfabetização das crianças e adultos para melhor conhecer o mundo não indígena. A defesa da língua própria e do tekó (cultura/costumes) foram elementos basilares dessa dimensão, numa época em que a interculturalidade ainda não era tema recorrente na educação indígena e sequer haviam direitos consagrados na legislação. Faremos esse percurso a partir da memória de lideranças e professores Avá-Guarani, de documentos históricos dos registros de pessoas que atuaram nesse processo. Consideramos que os Avá-Guarani criaram um processo de educação integral e libertadora na perspectiva de freiriana, com aportes dos conceitos intercultural e decolonial, antes mesmo de conhecer as referidas teorias.

 

 

Biografia do Autor

Clovis Antonio Brighenti, Unila

Professor de História das Sociedades Indígena na América Latina na Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em História (PPGHIS). Possui graduação em História - licenciatura plena - UNOESC - Campus Chapecó (1995). Doutor em História Cultural pelo Programa de Pós-Graduação em História na Universidade Federal de Santa Catarina/UFSC (2012). Mestrado em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo - USP (2001). Pós-graduado em comunicação social , pela Universidade São Francisco - SP (1996). Pós-graduado em ecumenismo e Diálogo Inter-religioso, pelo Instituto Teológico de Santa Catarina (2009) . É colaborador do Conselho Indigenista Missionário do qual foi membro entre 1988 a 2014; assessora e desenvolve pesquisas junto às comunidades indígenas Guarani e Xokleng Laklãno nas temáticas fundiárias, políticas indigenistas e educação escolar. Atua com projeto de extensão com comunidades Guarani no Brasil, Argentina e Paraguai. É assessor do Conselho Continental da Nação Guarani - CCNAGUA (Argentina. Bolívia, Brasil e Paraguai). Autor do Livro Estrangeiros na Própria Terra: Presença Guarani e Estados Nacional. Ed. ARGOS/EdUFS. Membro da Comissão Nacional de Educação Escolar Indígena do MEC.

Osmarina de Oliveira, Conselho Indigenista Missionário

Possui graduação em Geografia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2007). Atualmente é integral do Conselho Indigenista Missionário. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia, Atualmente está cursando o mestrado no Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos (PPG-IELA), da Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Referências

BRIGHENTI, C. A. (Org.); OLIVEIRA, Osmarina de (Org.). Imagem e Memória dos Avá-Guarani Paranaenses. Foz do Iguaçu: EDUNILA, 2020.

CARVALHO, E. A. Ava-Guarani do Ocoí-Jacutinga. Parecer do antropólogo Edgar de Assis Carvalho designado pela ABA. ABA/PUC/SP/CIMI, 1981.

CIMI. 2023. CIMI – Conselho Indigenista Missionário. 2023. https://cimi.org.br/o-cimi/. Disponível em: acesso em: 29-04-2023.

MELIÀ, B. Camino Guaraní: de lejos venimos, hacia más lejos caminamos. Asunción: Centro de Estudios do Paraguayos Antonio Guash - Unicef - OEI (Organizaçión de los Estados Iberoamericanos), 2016.

MELO, D. B. Ditadura “civil-militar’'?: controvérsias historiográficas sobre o processo político brasileiro no pós-1964 e os desafios do tempo presente. Espaço Plural, Marechal Cândido Rondon, v. 27, p. 39-53, 2012.

MIGNOLO, W. D. Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Ediciones del signo, 2010.

MINATEL, M. I. Educação e bilinguismo: processo de aprendizagem na aldeia Avá-Guarani do Ocoí, no estado do Paraná. Relatório final da pesquisa PIBIC/CNPq. Araraquara: UNESP Campus Araraquara, 1996.

NASCIMENTO, A. M. Interculturalidade: apontamentos conceituais e alternativas para a educação bilíngue. Sures, Foz do Iguaçu, n. 3, p. 1-19, 2014.

OLIVEIRA O. A desterritorialização do tekoha Guarani no Município de Foz do Iguaçu (PR), nas décadas de 1970-1980. Dissertação, 189 f. Programa de Pós Graduação Interdisciplinar em estudos latino-americanos (PPG-IELA) Unila. Foz do Iguaçu, 2022.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, E. (comp.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO p. 193-238, 2000.

Fontes

BRASIL/MEC. Lei Nº 9.394/96. Lei de Diretrizes e Base da Educação Nacional. Brasília, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Lei 6001/1973. Dispõe sobre o Estatuto do Índio. Brasília, 1973.

BRASIL. Decreto-Lei Nº 5.812. Cria os Territórios Federais do Amapá, do Rio Branco, do Guaporé, de Ponta Porã e do Iguassú. Brasília, 13 de setembro de 1943.

CIMI REGIONAL SUL. Relato de uma conversa: pedagogia e trabalho de educação com indígena. São Paulo, 26 de fevereiro de 1982. Acervo do Cimi Regional Sul.

CIMI REGIONAL SUL. Processo eleitoral no Brasil. Encontro de lideranças Guarani do Ocoy. Medianeira, 17 a 19 de outubro de 1989. Acervo do Cimi Regional Sul.

FREIRE, P. Apontamentos. In: CIMI REGIONAL SUL. Relato de uma conversa: pedagogia e trabalho de educação com indígena. São Paulo, 26 de fevereiro de 1982. Acervo do Cimi Regional Sul.

DOCUMENTO BID. Documento encaminhado ao Banco Mundial. Tekoha Ocoy, 02 de agosto de 1988. Acervo do Cimi Regional Sul.

MOREIRA, A. V. Telegrama enviado pelo advogado e presidente do Diretório do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) de Foz do Iguaçu ao delegado da Funai denunciando os crimes do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).. Foz do Iguaçu, 1976. Acervo do Cimi Regional Sul.

SOUZA FILHO, C. F. M. Sobre a forma de transmissão da propriedade e posse dos índios ava Guarani do rio Ocoí da nova área a lhes ser destinada. Laudo jurídico. Curitiba, 10 de maio de 1982. Acervo do Cimi Regional Sul.

TERMO PÚBLICO DE DECLARAÇÃO. Registro no Tabelião da comarca de São Miguel do Iguaçu, termos Público de Declaração, sobre as ameaças que vinham sofrendo pela Funai. São Miguel do Iguaçu. 20 de novembro de 1986. Acervo do Cimi Regional Sul.

Entrevistas

ALVES, T. T. Entrevista concedida a Regina Vasconcelos e (não identificar a autoria). Tekoha Itamarã, out-2017.

ALVES, T. T. Entrevista concedida ao jornal Nosso Tempo. Foz do Iguaçu, 06 de junho de 1994.

CHAMORRO, A. Entrevista concedida a (não identificar a autoria). Tekoha Guarani kuê, 2019.

CENTURIÃO, C. P. Entrevista concedida a (não identificar a autoria). Tekoha Ocoy, agosto de 2018.

MARTINEZ, J. Entrevista concedida a (não identificar a autoria). Tekoha Sauce/PY, dezembro de 2017.

MARTINES, J. Entrevista concedida ao jornal Nosso Tempo. Foz do Iguaçu, 06 de junho de 1994.

Downloads

Publicado

11-01-2024

Como Citar

Brighenti, C. A., & Oliveira, O. de. (2024). A Educação escolar Avá-Guarani e sua relação com a pedagogia de Paulo Freire: : uma análise historiográfica relativa às décadas de 1980-1990. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(41). https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7533

Edição

Seção

Artigos Temáticos