ENSINAR E APRENDER HISTÓRIA POR MEIO DE DIFERENTES FONTES E LINGUAGENS: reflexões sobre o cinema na sala de aula

Autores

  • Astrogildo Fernandes Silva Júnior Faculdade de Ciências Integradas do Pontal - FACIP/UFU
  • Franciele Amaral Rodrigues dos Santos Amaral Santos Universidade Federal de Uberlândia

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v10i28.2922

Palavras-chave:

Linguagens, cinema, ensino de história.

Resumo

O artigo tem como objetivo analisar o potencial de diferentes fontes e linguagens, especificamente o cinema, no processo de ensinar e aprender história. A pesquisa foi fundamentada na didática da história. A investigação teve como cenário uma escola pública da cidade de Ituiutaba, MG, Brasil. O desenvolvimento da pesquisa recorreu a diálogos constantes entre universidade e escola. Contou com a participação do professor de história e de jovens estudantes de uma turma do ensino médio. Conclui-se que a leitura do cinema como linguagem nas aulas de história contribui para a formação crítica dos jovens estudantes. Ao  incorporar diferentes linguagens no processo de ensino de história, reconhecemos não só a estreita ligação entre os saberes escolares e a vida social, mas também a necessidade de (re)construirmos o conceito de ensino e aprendizagem.

Biografia do Autor

Astrogildo Fernandes Silva Júnior, Faculdade de Ciências Integradas do Pontal - FACIP/UFU

Doutor em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Professor no curso de História da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal - FACIP/UFU

Franciele Amaral Rodrigues dos Santos Amaral Santos, Universidade Federal de Uberlândia

Graduada em História pela Faculdade de Ciências Integradas do Pontal e Mestranda no PPGED/UFU

Referências

BRASIL. Proposta curricular de História. Ensino Fundamental. Brasília: Ministério da Educação e Cultura, 1998.

BASSANEZI, Carla Pinsky. Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2008.

CARDOSO, Oldimar. Para uma definição de Didática da História. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 28, n. 55, p. 153-170, 2008.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc. Campinas, vol. 28, n. 100 – Especial, p. 1105-1128, out. 2007. Disponível em http:// www.cedes.unicamp.br . Acesso dia 10-09-2010.

GUIDO, Humberto. A arte de aprender: metodologia do trabalho escolar para a Educação Básica. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

GUIMARÃES, Selva. Didática e prática de ensino de História: experiência, reflexões e aprendizado. 13a Ed. rev. ampl. – Campinas, SP: Papirus, 2012.

GUIMARÃES, Selva; SILVA JÚNIOR, Astrogildo Fernandes. Ser jovem no Brasil: trajetórias no campo e na cidade. Campinas, SP: Editora Alínea, 2012.

KARNAL, Leandro (Org.). História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. São Paulo: Contexto, 2004.

LAUTIER, Nicole. Os saberes históricos em situação escolar: circulação, transformação e adaptação. Educ. Real., Porto Alegre, v. 36, n. 1, p. 39-58, jan./abr., 2011.

MARTINS Estevão C. de Rezende. A exemplaridade da História: prática e vivência do ensino. In: GUIMARÃES, Selva; GATTI JÚNIOR, Décio (Orgs.). Perspectiva do Ensino de História: ensino, cidadania e consciência histórica. Uberlândia: Edufu, 2011.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2009.

PAGÈS, Joan. Ciudadanía y enseñanza de la historia. Reseñas de Enseñanza de la Historia. Argentina, n. 1, octubre, 2003.

PAIS, José Machado. Consciência Histórica e Identidades: os jovens portugueses num contexto europeu. Oeiras: Celta Editora Lda, 1999.

VAINFAS, Ronaldo [et al.]. História: das sociedades sem Estado às monarquias absolutistas, volume 1, São Paulo: Saraiva, 2010.

RUSEN, Jorn. História Viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2007.

SIMAN, Lana Maria de Castro. A Temporalidade Histórica como Categoria Científica do Pensamento Histórico: Desafios para o ensino e a aprendizagem. In: Quanto tempo o tempo tem! Campinas, SP: Editora Alínea, 2005.

SILVA JÚNIOR, Astrogildo Fernandes. BNCC, componentes curriculares de história: perspectivas de superação do eurocentrismo. Disponível em < http://oaji.net/articles/2017/4613-1490998984.pdf>, acesso em 09 de maio de 2017.

Downloads

Publicado

2019-06-26

Como Citar

Silva Júnior, A. F., & Santos, F. A. R. dos S. A. (2019). ENSINAR E APRENDER HISTÓRIA POR MEIO DE DIFERENTES FONTES E LINGUAGENS: reflexões sobre o cinema na sala de aula. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 10(28), 47–66. https://doi.org/10.26514/inter.v10i28.2922