Formação de professores da APAE/Aracaju (1968-1988) e as contribuições teóricas da Constituição da República Federativa do Brasil voltadas para a Educação Especial

Visualizações: 614

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v9i27.2986

Palavras-chave:

Educação Especial. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. História. Formação de Professores. Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) - Aracaju.

Resumo

Este estudo teve como objetivo explicitar os passos da formação dos professores da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Aracaju (SE), no período de 1968 a 1988. Levando em consideração o recorte temporal apresentado, buscamos destacar alguns pontos importantes da sétima Constituição Federativa do Brasil de 1988, no que concerne o aporte teórico voltado para a Educação Especial. De cunho bibliográfico e documental, com abordagem na História Cultural, dialoga com estudiosos que falam da importância da memória social, individual e coletiva, como dos aspectos peculiares de cada sociedade, que diferem a história da memória e outros que agregam pertinência a temática trabalhada. Como procedimentos metodológicos foram realizadas entrevistas semiestruturadas com professores que pertenciam ao quadro funcional do período em estudo e outros que continuam em atuação. Constatou-se que a APAE aracajuana galgou os primeiros passos para as formações voltadas para a capacitação de professores e profissionais dentro e fora do Estado com diversos focos, abrindo horizontes e espaço para que todos pudessem ser atendidos com respeito e dignidade, de acordo com as normativas da Constituição Federativa. As conclusões pretenderam contribuir com a importância da associação nas formações de professores com direcionamento para a Educação Especial na cidade aracajuana.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Sousa Mendonça, Universidade Federal de Sergipe

Mestra em Educação pela Universidade Federal de Sergipe. Professora do Centro de Atendimento Educacional Especializado João Cardoso do Nascimento Junior da Rede Estadual de SE. Pedagoga de formação. Membro do Núcleo de Pesquisa em Inclusão Educacional e Tecnologia Assistiva - Núpita (UFS).

Rita de Cácia Santos Souza, Universidade Federal de Sergipe

Professora do Departamento de Educação da Universidade Federal de Sergipe. Pós-doutorado e doutorado em Educação pela UFBA. Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial, SBHE e líder do Núcleo de Pesquisa em Inclusão Educacional e Tecnologia Assistiva - NÚPITA (UFS).

Referências

ALVES-MAZZOTTI, A. J. GEWANDSZNAJDER, F. O método nas Ciências Naturais e Sociais: Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1999.

APAE. Estatuto da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Aracaju. Aracaju: Acervo da APAE/SE, 1969.

APAE - Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Aracaju/SE. Ata da 2ª Assembleia, 29 de abril de 1971. Aracaju: Acervo da APAE/SE, 1971. p. 2-104.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BRASIL. Para Todos: o movimento político das pessoas com deficiência no Brasil. Brasília: Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos das Pessoas com Deficiência, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2015.

CHARLOT, B. Relação com o saber, formação dos professores e globalização: questões para a educação hoje. Porto Alegre: Artmed, 2005.

CHARTIER, R. A História ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

LE GOFF, J. Memória. In: LE GOFF, J. (Org.). História e memória. Campinas: Ed. da Unicamp, 2003, p. 419 - 476.

MARTINS, L. A. R. Identidade, diversidade e inclusão. In: PIZZI, L. C. V.; FUMES, N. L. F. (Org.). Formação do pesquisador em educação: identidade, diversidade, inclusão e juventude. Maceió: EDUFAL, 2007, p. 199 - 211.

MAZZOTTA, M. J. S. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo: Cortez, 2005.

OLIVEIRA, I. A. Educação inclusiva e formação de professores: a importância do corporal sensível. In: PIZZI, L. C. V.; FUMES, N. L. F. (Org.). Formação do pesquisador em educação: identidade, diversidade, inclusão e juventude. Maceió: EDUFAL, 2007, p. 213-227.

SANTOS, C. R. Direito à Educação – A LDB de A a Z. São Paulo: Avercamp, 2008.

SEIXAS, C. P.; FERNANDES, P. D. Institucionalização da educação especial brasileira e a escolarização das pessoas com deficiência em Sergipe. In: SOUZA, R. C. S. (Org.). História da educação e suas interfaces. Jundiaí: Paco Editorial, 2015, p. 41-54.

SILVA, T. T. Identidade e diferenças: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SOUZA, R. C. S. Educação Especial em Sergipe (Séc. XX): uma trajetória de descaso, lutas, dores e conquistas. Aracaju: Criação, 2013.

Downloads

Publicado

20-12-2018

Como Citar

Sousa Mendonça, A. C., & Santos Souza, R. de C. (2018). Formação de professores da APAE/Aracaju (1968-1988) e as contribuições teóricas da Constituição da República Federativa do Brasil voltadas para a Educação Especial. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 9(27), 549–568. https://doi.org/10.26514/inter.v9i27.2986