A (re)organização de práticas pedagógicas e do espaço/tempo escolares a partir do protagonismo de crianças do campo

Visualizações: 601

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v11i31.3999

Palavras-chave:

Educação do Campo. Sociologia da Infância. Infância do Campo. Narrativa Infantil. Participação Infantil.

Resumo

Fundamentado em pressupostos da Sociologia da Infância e da Educação do Campo, este artigo versa sobre protagonismo de crianças camponesas na escola, cujo objetivo é discutir a (re)organização dos espaços/tempos educativos de escolas do campo a partir dos sentidos produzidos pelas crianças sobre o campo e sobre esta instituição educativa. Seu direcionamento metodológico inclui-se na vertente da Pesquisa com narrativas, sendo os dados produzidos a partir de grupos focais, realizados com 20 crianças na faixa etária de 8 a 10 anos de idade que estudam em duas escolas de comunidades rurais do Piauí, cenários da pesquisa. Para desencadear as interações, utilizou-se fotografias e desenhos feitos pelas crianças. Os resultados do estudo evidenciaram que as crianças têm potencial para participarem ativamente de instâncias decisórias na escola, como instituição que abarca um tempo considerável do seu convívio diário. Essa inserção institucional possibilita-lhes, a partir de experiências vivenciadas, atribuir sentido à escola e suas práticas pedagógicas. Conclui-se que é urgente que as crianças sejam reconhecidas como atores sociais, e que esse estatuto sirva como mote para a (re)organização dos espaços, tempos e saberes nas escolas pesquisadas, de modo que o protagonismo das crianças seja desenvolvido gradualmente, por meio de práticas pedagógicas democráticas.

Biografia do Autor

Keylla Rejane Almeida Melo, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Educação (2019) pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e Mestre em Educação (2014) pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Docente da Universidade Federal do Piauí (UFPI), vinculada ao Curso de Licenciatura em Educação do Campo/CCE.

Iara Vieira Guimarães, Universidade Federal de Uberlândia

Doutora em Educação (2006) e Mestrado em Geografia Humana (1998) pela Universidade de São Paulo. Realizou estágio de pós-doutorado (2015) na Universidade Federal Fluminense. Professora Associada da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Uberlândia (UFU).

Referências

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. (Trad. João Wanderley Geraldi). Revista Brasileira de Educação, n. 19, jan./fev./mar./abr. 2002. p. 20 – 28. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, jul. 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8069.htm>. Acesso em 28 fev. 2019.

_______. Resolução CNE/CEB n. 01, de 03 de abr. de 2002. Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, abr. 2002. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13800-rceb001-02-pdf&category_slug=agosto-2013-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 12 mai. 2017.

_______. Resolução CNE/CEB n. 02, de 28 de abr. de 2008. Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo. Brasília, abr. 2008. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/resolucao_2.pdf>. Acesso em 12 mai. 2017.

_______. Decreto n. 7.352, de 04 de novembro de 2010. Dispõe sobre a política de educação do campo e o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária – PRONERA. Diário Oficial da União, Brasília: 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7352.htm>. Acesso em 12 mai. 2017.

_______. Lei nº 12.960, de 27 de março de 2014. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para fazer constar a exigência de manifestação de órgão normativo do sistema de ensino para o fechamento de escolas do campo, indígenas e quilombolas. Brasília, mar. 2014. Disponível em: <http://www.dicasincriveis.com/dados/lex/2016/12/01/lei-ordinaria-129602014-campo-indigenas-quilombolas-2/>. Acesso em 12 mai. 2017.

BARBOUR, R. Grupos focais. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BUJES, M. I. E. A invenção do eu infantil: dispositivos pedagógicos em ação. Rev. Bras. Educ. [online]. 2002, n.21, pp.17-39. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000300003.

CALDART, R. S.. Educação do Campo. In. CALDART, R. S. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. 2. ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.

________. Caminhos para transformação da escola. In. CALDART, R. S.; STEDILE, M. E.; DAROS, D. (Orgs.). Caminhos para transformação da escolar 2: agricultura camponesa, educação politécnica e escolas do campo. São Paulo: Expressão Popular, 2015a.

_______. Sobre a especificidade da Educação do Campo e os desafios do momento atual. 2015b. Disponível em: <https://sigaa.ufpa.br/sigaa/verProducao?idProducao=280289&key=072c077c4aef39fe4f804ac7eeb654bc>. Acesso em: 14 jan. 2019.

CLANDININ, D. J.; CONNELLY, F. M.. Pesquisa Narrativa: experiência e história em pesquisa qualitativa. 2. ed rev. Uberlândia: EDUFU, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.14393/EDUFU-978-85-7078-279-3.

GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

HENDRICK, H. A criança como actor social em fontes históricas: problemas de identificação e interpretação. In. CHRISTENSEN, P.; JAMES, A. Investigação com crianças: perspectivas e práticas. Porto: Ediliber Editora de Publicações, 2005.

MARTINS FILHO, A. J.; PRADO, P. D. (Orgs.). Das pesquisas com crianças à complexidade da infância. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

MOLINA, M. C.; SÁ, L. M. Escola do Campo. In. CALDART, R. S. et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. 2. ed. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012.

PASSEGGI, M.; NASCIMENTO, G.; OLIVEIRA, R. de. As narrativas autobiográficas como fonte e método de pesquisa qualitativa em Educação. Revista Lusófona de Educação, n. 33, 2016, p. 111-125.

PERIPOLLI, O. J. Um olhar sobre (o campo) a educação no/ do campo: a questão das especificidades do ensino. Revista da Faculdade de Educação, Ano VIII, n. 13, J an./ J un. 2010, p. 51-62.

QUEIROZ, M. I. P. de. O mandonismo local na vida política brasileira e outros ensaios. São Paulo: Ed. Alfa-Omega, 1976.

QVORTRUP, J. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.36, n.2, maio/ago. 2010a.p. 631-643. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-97022010000200014

_______. Infância e política. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.141, set./dez. 2010b. p.777-792. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-15742010000300006

_______. Visibilidades de crianças e infância. Linhas Críticas, Brasília, v. 20, n. 41, jan./abr. 2014. p. 23-42. Disponível em: https://doi.org/10.26512/lc.v20i41.4250

RICOEUR, P. Tempo e Narrativa (tomo I). Campinas, São Paulo: Papirus, 1994.

SARMENTO, M. J.; MARCHI, R. de C. Radicalização da infância na segunda modernidade. Para uma Sociologia da Infância crítica, Configurações, Revista do Centro de Investigação em Ciências Sociais da Universidade do Minho, n. 4, 2008.p. 91-113. Disponível em: https://doi.org/10.4000/configuracoes.498

SARMENTO, M. J.. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. Braga: Instituto de Estudos da Criança, Universidade do Minho, 2003. (Texto digitado).

_______. A reinvenção do ofício de criança e de aluno. Atos de Pesquisa em Educação, v. 6, n. 3, set./dez. 2011. p. 581-602.

_______. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n.91, Maio/Ago. 2005.p. 361-378. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000200003.

_______. Uma agenda crítica para os estudos da criança. Currículo sem fronteiras, v. 15, n. 1, jan./abr. 2015, p. 31-49.

SILVA, I. de O. e; LUZ, I. R. da. Espaços, ambientes e contextos: reflexões sobre a educação infantil para crianças de 0 a 6 anos residentes em área rural em dois municípios da região sudeste do Brasil. In. BARBOSA, M. C. S. et al. (Coord.). Oferta e demanda de educação infantil no campo. Porto Alegre: Evangraf, 2012.

SUÁREZ, D. H. Pesquisa Narrativa: outras formas de conhecer (Prefácio). In. MARTINS, R.; TOURINHO, I.; SOUZA, E. C. de. Pesquisa Narrativa: interfaces entre histórias de vida, arte e educação. Rio Grande do Sul: Editora UFSM, 2017.

TELLEZ, G. A. M. Espaço-escolar e sistema-mundial: análise das recomendações da Unesco-ONU para a América Latina. 2017. 269f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação: Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia/MG, 2017.

WANDERLEY, M. N. B.; FAVARETO, A. A singularidade do rural brasileiro: implicações para as tipologias territoriais e a elaboração de políticas públicas. In. MIRANDA, C.; SILVA, H. (Orgs.). Concepções da ruralidade contemporânea: as singularidades brasileiras. Brasília: IICA, 2013.

WANDERLEY, M. de N. B. Agricultura familiar e campesinato: rupturas e continuidades. Estudos Sociedade e Agricultura, Rio de Janeiro, n. 21, outubro 2003, p. 42-61.

ZEQUINÃO, M. A. et al. Bullying escolar: um fenômeno multifacetado. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 42, n. 1, p. 181-198, jan./mar. 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-9702201603138354

Downloads

Publicado

17-08-2020

Como Citar

Melo, K. R. A., & Guimarães, I. V. (2020). A (re)organização de práticas pedagógicas e do espaço/tempo escolares a partir do protagonismo de crianças do campo. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 11(31), 43–67. https://doi.org/10.26514/inter.v11i31.3999