A produção de sentidos por estudantes a partir de um vídeo educativo na educação em enfermagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v11i31.4045

Palavras-chave:

Educação em Enfermagem, Filmes e Vídeos Educativos, Tecnologia Educacional,

Resumo

Partimos da percepção dos usos recorrentes de filmes e vídeos nos espaços de formação em enfermagem são orientados e fundamentados em ideias pouco pesquisadas empiricamente. Com base nos estudos culturais, o presente artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o uso de um vídeo educativo em uma dinâmica formativa de enfermagem. Para isso analisamos conjuntamente a obra, a produção e os sentidos produzidos por espectadores. Os resultados, de modo geral, indicam que os espectadores seguiram às leituras esperadas para o vídeo, que foi construído para valorizar e orientar sobre a consulta de enfermagem, contudo esses sujeitos articularam os sentidos produzidos com suas experiências e transcenderam as expectativas didáticas do audiovisual o utilizando como recurso para discutir e refletir sobre suas formações, desafios profissionais e obstáculos políticos da produção do cuidado no serviço de saúde.

Biografia do Autor

Américo de Araujo Pastor Junior, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); Universidade Católica de Petrópolis (UCP); Universidade Federal Fluminense (UFF);

Professor Adjunto do Instituto de Biodiversidade e Sustentabilidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Realizou estágio pós-doutoral em Ensino de Saúde (EEAAC-UFF) e Cognição Social (UCP). Possui doutorado e mestrado em Educação em Ciências e Saúde pelo Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (NUTES-UFRJ), bacharelado em Psicologia pela Universidade Católica de Petrópolis e bacharelado em Desenho Industrial (Design - Programação Visual) (UFRJ). Desenvolve pesquisas sobre aprendizagens mediadas por tecnologias, linguagens e audiovisuais nos espaços formais e não formais de educação em ciências e saúde.

Luiz Augusto Coímbra de Rezende Filho, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Universidade Federal Fluminense;

Professor Associado I do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Saúde do
NUTES-UFRJ. É bolsista de produtividade do Cnpq e foi bolsista do programa Jovem Cientista
do Nosso Estado (JCNE) da FAPERJ. É docente colaborador credenciado no Programa de PósGraduação em Cinema da UFF. Possui graduação em Cinema pela Universidade Federal
Fluminense (1995), mestrado em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro
(2000) e doutorado em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). Foi
coordenador do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Saúde do NUTESUFRJ. Foi professor auxiliar do Curso de Cinema da Universidade Estácio de Sá. Tem
experiência nas áreas de Educação e Comunicação, com ênfase em Cinema, atuando
principalmente nos seguintes temas: documentário, cinema e vídeo educativos, recepção
audiovisual, arquivos audiovisuais, educação em ciências e saúde.

Cláudia Mara de Melo Tavares, Universidade Federal Fluminense;

Professora Titular do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiatria da Escola de Enfermagem da Universidade Federal Fluminense. Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1989). Mestre em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1995), doutor em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998) e pós-doutorado pela Universidade de São Paulo - USP (2011). Ensina em todos os níveis (graduação, especialização, mestrado e doutorado). Professora do Programa Acadêmico Mestrado e Doutorado Ciências do Cuidado em Saúde e do Mestrado Profissional Ensino na Saúde.É avaliadora Ad Hoc de Cursos de Graduação pelo INEP/MEC. Dedica-se a produção de conhecimentos relativos ao cuidado e ensino de enfermagem e saúde, com ênfase nos seguintes temas: saúde mental, tecnologia em saúde, emoções, criatividade e arte em saúde. Atuou como tutora e coordenadora pedagógica dos Cursos de Especialização na modalidade EAD - PROFAE e Ativadores de Mudança (MS). Membro da Equipe de Coordenação Nacional do Curso de Formação de Profissionais de Nível Técnico de Saúde - PROFAPS - Ministério da Saúde/FIOCRUZ (2009-2011). Coordenadora Geral da Pós-Graduação em Enfermagem da UFF (2016-2018). Coordenadora do Mestrado Profissional Ensino na Saúde. Foi Coordenadora Adjunta do Mestrado Profissional Enfermagem Assistencial. Presidente do Fórum Nacional dos Mestrados Profissionais (FOPROF). Líder dos Grupos de Pesquisa "Ensino, Criatividade e Cuidado em Enfermagem e Saúde" e "Sociopoética e abordagens afins". Membro efetivo do CINTESIS - Centro de Investigação em Tecnologias e Sistemas de Informação em Saúde - Universidade do Porto - Portugal e do GIISAME - Grupo Internacional de Investigação em Enfermagem em Saúde Mental, em parceria com Espanha e Portugal. Membro do Grupo de Investigação Emoções em Saúde - Universidade de Lisboa. Pesquisadora Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Referências

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, LDA. 2009.

BARRATT J. A focus group study of the use of video-recorded simulated objective structured clinical examinations in nurse practitioner education. Nurse educ. pract. v.10n.3p.170-175, 2010.

CONSULTA DE Enfermagem. CNCT-MS, NUTES/UFRJ. Brasil: Laboratório de Vídeo Educativo do NUTES/UFRJ, 1990. (22 min.), DVD, son., color.

ELLSWORTH, E. Modo de endereçamento: uma coisa de cinema, uma coisa de educação também. In: SILVA, T. (org.). Nunca fomos humanos: metamorfoses da subjetividade contemporânea. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

FIESCHI L, BURLON B, DE MARINIS M. Teaching midwife students how to break bad news using the cinema: An Italian qualitative study. Nurse educ. pract. v.15 n.2 p.141-147, 2015.

HALL, S. Reflexões sobre o modelo de Codificação/Decodificação (entrevista com Stuart Hall). In: SOVIK, L. org. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Unesco, p. 353-386, 2003.

HEWITT J, TOWER M, LATIMER S. An education intervention to improve nursing students' understanding of medication safety. Nurse educ. pract. v.15 n.1, p.17-21, 2015

LEMKE, J. L. Textual Politics: Discourse and Social Dynamics. Londres: Taylor & Francis, 2005.

REFERÊNCIA OCULTADA NESSA VERSÃO

OLIVEIRA et al. Filme no ensino-aprendizagem sobre pessoas com deficiência. Esc. Anna Nery (impr.). abr -jun; v.16 n.2, p.297-305, 2012

SCHRØDER, K. C. Making sense of audience discourses: Towards a multidimensional model of mass media reception. European Journal of Cultural Studies, v.3, n.2, p.233-258, 2000.

SILVA, J. P.; TAVARES, C. M. Integralidade: dispositivo para a formação crítica de profissionais de saúde. Trabalho, Educação e Saúde, v. 2 n. 2, p. 271-285, 2004

TAVARES et al. Cinema: estratégia de ensino-aprendizagem na disciplina de história da enfermagem. Universitas Humanas, Brasília, v. 11, n. 2, p. 39-48, jul./dez. 2014

VANOYE, F.; GOLIOT-LÉTÉ, A. Ensaio sobre a análise fílmica. Campinas: Papirus, 1994.

WORTH, S. The Uses of Film in Education and Communication. In: GROSS, L. (ed.). Studying Visual Communication. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, p.108-133, 1981.

Downloads

Publicado

2020-08-17

Como Citar

de Araujo Pastor Junior, A., Coímbra de Rezende Filho, L. A., & de Melo Tavares, C. M. (2020). A produção de sentidos por estudantes a partir de um vídeo educativo na educação em enfermagem. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 11(31), 606–624. https://doi.org/10.26514/inter.v11i31.4045

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)