A EDUCAÇÃO ESCOLAR QUILOMBOLA NA PARAÍBA: UM ESTUDO A PARTIR DO CICLO DE POLÍTICAS (CP)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.4841

Palavras-chave:

Ciclo de Políticas. Política Educacional. Currículo. Escolarização quilombola.

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que objetivou analisar a política educacional para a Educação Escolar Quilombola, no âmbito de unidades de ensino localizadas na Mesorregião do Litoral Sul da Paraíba, a partir do Ciclo de Políticas de Stephen Ball. Com base em um cenário normativo que a qualifica como uma ação afirmativa indutora para o reconhecimento e o pertencimento de crianças, jovens e adultos oriundos das populações negras e quilombolas, evidenciam-se elementos contraditórios que se manifestam para impedir que a Educação Escolar Quilombola (EEQ) esteja presente na institucionalização das políticas de promoção de igualdade étnico-racial, no contexto dessas unidades pesquisadas, uma vez que tem um legado na história e na política educacional que fundamenta sua efetividade no currículo escolar. A pesquisa, que se configurou como qualitativa e exploratória, partiu dos documentos normativos da política e do campo empírico, examinados por meio da Análise Proposicional do Discurso – APD. O estudo mostrou que a EEQ, no contexto da prática, está passando por dificuldades e continua invisível nos espaços formativos. O referencial núcleo da formação identitária se insere nesse campo de saberes que está em constante tensão, devido ao seu lugar social, cuja maior força se encontra no protagonismo ativista.

Biografia do Autor

Vilma Helena Malaquias, Prefeitura municipal do Conde

Mestre em Educação

Especialização em Psicopedagogia

Licenciatura em Pedagogia

Ana Cláudia Silva Rodrigues, Universidade Federal da Paraíba

Pedagoga, mestrado e doutorado em Educação

Professora da área de Fundmaentos Sociohistóricos da Educação

Departamento de Fundamentação da Educação

Centro de Educação

Referências

ARROYO, Miguel G. Os educandos, seus direitos e o currículo. In: MOREIRA, Antônio Flávio e ARROYO, Miguel. Indagações sobre currículo. Brasília: Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental, nov. 2006.

BALL, S. J. Educational reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994a.

BALL, S. J. Vozes/Redes Políticas e um Currículo Neoliberal Global. In: PEREIRA, Maria Zuleide; et al. (Orgs.). Diferenças nas Políticas de Currículo – João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2010. 379p.

BALL, Stephen J.; MAINARDES, Jefferson (Orgs.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BALL, J. Stephen; MAGUIRE, Meg; BRAUN, Annet. Como as escolas fazem políticas. Tradução de Janet Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016.

BALL, Stephen J. Educação Global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal/ Stephen J. Ball; tradução de Janete Bridon - Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011, 229 p.

BONIN, T. I. Educação escolar indígena. In: BERGAMASCHI, M. P.; ZEN, M. I. H.; XAVIER, M. L. M. F (Org). Povos indígenas e educação. Porto Alegre: Ed. Mediação, 2012.

BRASIL. Constituição Federal Brasileira de 1998.19. ed. São Paulo: Saraiva, 1998.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.639 de 09 de janeiro de 2003. Inclui a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira” no currículo oficial da rede de ensino. Diário Oficial da União, Brasília, 2003.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Resolução CEB n. 08/2012/b.

BRASIL. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei n 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e as bases da educação nacional para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História da Cultura Afro-brasileira e Indígena”.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). Estudo exploratório sobre o professor brasileiro: com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007. Brasília, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/ estudoprofessor.pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.

CARLOS, Erenildo João; VICENTE, Dafiana Socorro. (Org.). A importância do ato de ver. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2011.

GROSFOGUEL, Ramón. Dilemas dos estudos étnicos norte-americanos: multiculturalismo identitário, colonização disciplinar e epistemologias descoloniais. Ciência e Cultura. São Paulo. V59, nº 2, 2007.

INEP. Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Indicadores Educacionais. Brasília, 2019. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/indicadoreseducacionais. Acesso em: 20 set 2019.

MAINARDES, J. Reflexiones sobre el objeto de estudio de la Política Educativa. In: TELLO, César (Comp.). Los objetos de estudio de la política educativa: hacia uma caracterización del campo teórico. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Autores de Argentina, 2015.

MIRANDA, Shirley Aparecida de. Educação escolar quilombola: entre ausência e emergências. Revista Brasileira de Educação, v. 17, n. 50 maio-agosto. 2012.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias dos currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

STAVENHAGEN, R. Educação para um mundo intercultural. In: DELORS, J. et al ., Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. Porto: Edições Asa (1999). p.247, 248.

Downloads

Publicado

30/08/2022

Como Citar

Malaquias, V. H., & Rodrigues, A. C. S. (2022). A EDUCAÇÃO ESCOLAR QUILOMBOLA NA PARAÍBA: UM ESTUDO A PARTIR DO CICLO DE POLÍTICAS (CP). INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 13(38). https://doi.org/10.26514/inter.v13i38.4841