Políticas e práticas educacionais desenvolvidas em relação aos alunos com deficiência intelectual em escolas regulares por um munícipio paranaense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.6055

Palavras-chave:

Políticas Educacionais, Educação Inclusiva, Práticas Pedagógicas, Deficiência Intelectual

Resumo

RESUMO: As políticas públicas educacionais  deveriam apresentar dispositivos subsidiados por ideais democráticos, pautados no direito de todos à educação. O objetivo deste estudo foi analisar as políticas, as percepções e as práticas educacionais desenvolvidas em relação aos alunos com DI em escolas públicas de Anos Iniciais do Ensino Fundamental de uma cidade no norte do Paraná. A pesquisa caracaterizou-se como descritiva com análises qualitativas. Participaram desta pesquisa sete professoras atuantes em Classe Comum, em Sala Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP), em Classe Especial e em Sala de Recursos Multifuncionais e dois gestores municipais responsáveis pelo Núcleo de Educação Inclusiva. Os dados foram coletados por meio de observação direta em sala de aula, entrevistas semiestruturadas e análise documental. Os resultados evidenciaram que os atendimentos oferecidos aos alunos com DI eram realizados de acordo com o nível de dificuldades que eles apresentavam, existindo a possibilidade de serem encaminahdos para escolas especiais e classes especiais. As políticas educacionais adotadas no Estado do Paraná favoreceram que as escolas analisadas atendessem aos princípios do modelo de atendimento denominado integração e se apresentassem distantes do modelo de ensino inclusivo. 

 

 

Biografia do Autor

Katiane Pereira dos Santos, Universidade Estadual de Londrina

Mestre em Educação - Programa de Pós-Graduação em Educação - Universidade Estadual de Londrina

Célia Regina Vitaliano, Universidade Estadual Londrina

Doutora em Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), Docente na Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Jacqueline Lidiane de Souza Prais, Universidade Estadual de Londrina

Doutora em Educação, pela Universidade Estadual de Londrina (UEL), Docente na Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP)

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão das Pessoas com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Diário Oficial da União, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: SEESP/MEC, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB Nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2011.

GESSER, M. Políticas Públicas e Direitos Humanos: Desafios à Atuação do Psicólogo. Psicologia: Ciência e Profissão, n. 33, p. 66-77, 2013.

GLAT, R. Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

HEREDERO, E. S. A escola inclusiva e estratégias para fazer frente a ela: as adaptações curriculares. Revista Acta Scientiarum Education, Maringá, v. 32, n. 2, p.193-208, 2010.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Censo Escolar, 2018. Brasília: INEP, 2019.

LIEBSCHER, P. Quantity with quality? Teaching quantitative and qualitative methods in a LIS Master’s program. Library Trends, v. 46, n. 4, p. 668-680, 1998.

MARIN, M.; BRAUN, P. Currículo e Diferenciação Pedagógica: uma prática de exclusão? Revista Exitus, Santarém, v. 10, p. 1-27, 2020.

MARTINS, L. A. R. Reflexões sobre a formação de professores com vistas à educação inclusiva. In: MIRANDA, T. G.; GALVÃO FILHO, T. A. O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 25-38.

MENDES, E. G.; VILARONGA, C. A. R.; ZERBATO, A. P. Ensino Colaborativo como Apoio a Inclusão Escolar: unindo esforços entre educação comum e especial. São Carlos: EDUFCar, 2014. 160p.

MOREIRA, M. A. Aprendizagem Significativa: a teoria e textos complementares. São Paulo: Livraria da Física, 2011.

MULLER, P.; SUREL, Y. A análise das Políticas Públicas. Pelotas: Educat, 2002.

PARANÁ. Conselho Estadual de Educação. Deliberação nº 02/2003. Normas para a Educação Especial, modalidade da Educação Básica para alunos com necessidades educacionais especiais, no Sistema de Ensino do Estado do Paraná. Curitiba, PR, 2003.

PARANÁ. Conselho Estadual de Educação. Deliberação nº 02/2016. Dispõe sobre as Normas para a Modalidade Educação Especial no Sistema Estadual de Ensino do Paraná. Curitiba, PR, set. 2016a.

PARANÁ. Secretaria Municipal de Educação. Conselho Municipal de Educação. Plano Municipal de Educação de [nome], 2014.

PARANÁ. Secretaria Municipal de Educação. Rede Municipal de Ensino. Currículo para a Rede Pública Municipal de Ensino de ]nome]. Paraná: Secretaria, 2016b. (Ensino fundamental; v. 1).

PRAIS, J. L. S. Das intenções à formação docente para a inclusão: Contribuições do Desenho Universal para a Aprendizagem. Curitiba: Appris, 2017.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999

ROCHA, A. B. O. O papel do professor na Educação Inclusiva. Revista Ensaios Pedagógicos, São Paulo, v. 7, n. 2, jul./dez. 2017.

RODRIGUES, R. K. G.; CIA, F. As relações do professor de salas de recursos multifuncionais pré-escolar: a escola, o professor da classe comum e as instituições especializadas. In: Encontro da associação brasileira de pesquisadores em Educação Especial, 8., 2013. Anais [...]. Londrina: [S.n.], 2013.

SOUZA, A. R. A política Educacional e seus objetos de Estudo. Revista de Estudios Teóricos y Epistemológicos em Política Educativa, v. 1, n. 1, 2016.

UNESCO. Declaração de Salamanca sobre princípios, política e práticas na área das necessidades educativas especiais. UNESCO: Salamanca, 1994.

UNESCO. Declaração Mundial sobre educação para todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien: UNESCO, 1990.

VITALIANO, C. R. Políticas e Práticas Educacionais Desenvolvidas em Relação aos Alunos com Deficiência Intelectual em escolas da cidade de Londrina nas etapas da Educação Básica. Paraná, PR: UEL, 2015.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. Tradução Jefferson Luiz Camargo. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Downloads

Publicado

02/11/2021

Como Citar

Santos, K. P. dos, Vitaliano, C. R., & de Souza Prais, J. L. (2021). Políticas e práticas educacionais desenvolvidas em relação aos alunos com deficiência intelectual em escolas regulares por um munícipio paranaense. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 12(35), 867–894. https://doi.org/10.26514/inter.v12i35.6055