Educação de Jovens e adultos e prevenção das IST/AIDS em escolas indígenas do Pantanal Sul-mato-grossense, Brasil

Visualizações: 57

Autores

DOI:

https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7612

Palavras-chave:

Aids. Educação escolar indígena. Infecções Sexualmente Transmissíveis. Indígenas de Mato Grosso do Sul.

Resumo

 o artigo apresenta a estrutura e os impactos do Programa de Educação Preventiva de IST/Aids desenvolvido em parceria com professores Guató, Kadiwéu, Kinikinau e Terena, que vivem na região pantaneira de Mato Grosso do Sul, Brasil, no período de 2003 a 2010, em perspectiva freireana. Os dados evidenciam que o conhecimento a respeito dessas infecções se constituiu em atitudes preventivas, ou seja, a informação foi gradativamente incorporada à formação inicial dos sujeitos. O material didático produzido buscou expressar a visão de educação e saúde dos(as) indígenas e as relações que estabelecem com suas culturas, as aldeias e os territórios, oportunizou que se reconhecessem, pois passaram a se referir ao que vivenciam. Esse aspecto significa utilizar as escolas como espaço de fronteira, onde as trocas ocorrem e as tradições de pensamento ocidentais que geraram o processo educativo nos moldes escolares e suas tradições que demandam a escola, com suas especificidades, formam as múltiplas formas se conhecer e pensar o mundo. Para grupos que possuem diminuta população e estão frequentemente em contato com doenças do mundo contemporâneo, ações dessa natureza geram impactos sociais responsáveis pela melhoria da qualidade de vida, podendo ser replicadas em outros contextos, respeitando-se as singularidades de cada povo indígena.

Biografia do Autor

Léia Teixeira Lacerda, UEMS, Brasil

Possui Graduação em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (1995), Mestrado em Psicologia pela Universidade Católica Dom Bosco (2003), Mestrado em História pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2004) e Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2009). Atuou na Coordenadoria dos Cursos Normal Superior e Normal Superior Indígena no período de 2002 a 2005 e no Curso de Pedagogia da Unidade Universitária de Campo Grande da UEMS, no período de 2009 a 2018. Atualmente é Coordenadora do Centro de Pesquisa, Ensino e Extensão Educação, Linguagem, Memória e Identidade/CELMI e professora adjunta da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul no Curso de Pedagogia e no Programa de Mestrado Profissional em Educação. É líder do Grupo de Pesquisa: Educação, Cultura e Diversidade, vinculado à Rede de Pesquisa Internacional para América Latina, Europa e Caribe/Rede ALEC. Vencedora do Prêmio Péter Murányi em 2009 na área de Educação, com o trabalho: Educação de Jovens e Adultos e Prevenção das DST/AIDS em Escolas Indígenas do Pantanal de Mato Grosso do Sul, Brasil. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia do Ensino e da Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, gênero, educação sexual, história indígena, histórias de vida e educação escolar indígena.

Giovani José da Silva, Universidade Federal do Amapá

Possui licenciatura e mestrado em História pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) - 1995; 2004, especialização em Antropologia: teorias e métodos pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) - 2001, doutorado em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG) - 2009. Foi professor adjunto da UFMS (2009-2013) e, desde 2013, é professor adjunto da Universidade Federal do Amapá (Unifap), atuando nos Cursos de História, Direito, Licenciatura Intercultural Indígena, Pedagogia e Mestrado Profissional em Ensino de História - ProfHistória. Na Unifap foi, ainda, acadêmico do curso de Licenciatura em Teatro, entre 2018 e 2021. Foi pesquisador colaborador pleno do Departamento de Antropologia e docente colaborador do Mestrado Profissional em Sustentabilidade junto a Terras e Povos Indígenas, ambos da Universidade de Brasília, onde realizou estágio pós-doutoral em Antropologia (2012-2013), supervisionado pelo Prof. Dr. Stephen Grant Baines. Realizou, entre 2016 e 2017, segundo estágio de pós-doutorado, em História, na Universidade Federal Fluminense, sob a supervisão da Prof. Dra. Maria Regina Celestino de Almeida. Foi acadêmico da Licenciatura em Teatro (Centro Universitário Ítalo-Brasileiro), da Licenciatura em Pedagogia e Educação Profissional e Tecnológica (IFSP) e é aluno do Mestrado Profissional em Artes da Cena (Centro de Artes e Educação Célia Helena). Especialista em Metodologia do Ensino de Línguas Portuguesa e Espanhola (UCAM) e em História do Teatro Brasileiro e Ocidental (CAL). Foi conselheiro e consultor da Olimpíada Nacional em História do Brasil - ONHB, entre 2012 e 2021. Principais linhas de atuação em Ensino, Pesquisa e Extensão: Ensino de História; História dos Indígenas no Brasil e nas Américas; Antropologia; História do Teatro.

Referências

BARROS, Edir Pina de. AIDS (“SIDA”) e Diversidade Sócio-Cultural. Trabalhos de Antropologia e Etnologia. Sociedade Portuguesa de Antropologia e Etnologia. Vol. 40 (1-2) Porto, 2000.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Dados epidemiológicos/Aids, 1980-1997. Disponível em: http://www.aids.gov.br . Acesso em: 22 abr. de 2023.

______. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Boletim Epidemiológico Aids/DST, 1980-2006a. Disponível em: http://www.aids.gov.br. Acesso em: 22 abr. de 2023.

______. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Boletim Epidemiológico Aids/DST, 1980-2007a. Disponível em: http://www.aids.gov.br. Acesso em: 22 abr. de 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico de HIV e Aids. Brasília, DF: Ministério da Saúde: Secretaria de Vigilância em Saúde. Número Especial. Dez. 2022. Disponível em: http://forumaidssp.org.br/admin/arquivos/arquivo/73.pdf. Acesso em: 14 maio 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental: 5ª a 8ª série: introdução. Brasília: MEC/ SEF, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Povos indígenas e a prevenção às DST, HIV e AIDS: manual de diretrizes técnicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

______. Fundação Nacional de Saúde. Política nacional de atenção à saúde dos povos indígenas. 2. ed. Brasília: Funasa, 2002.

CARNEIRO, H. F. AIDS: a nova (des)razão da humanidade. São Paulo: Escuta, 2000.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 42. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005c.

GADOTTI, M.; ROMÃO, J. E. (Orgs.). Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. 7. ed. São Paulo: Cortez/ Instituto Paulo Freire, 2005.

LACERDA, Léia T. A AIDS e as índias Terena: uma questão epidêmica e de imaginário? Campo Grande: Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), 2003. 127 p. (Dissertação de Mestrado em Psicologia).

Downloads

Publicado

11-01-2024

Como Citar

Lacerda, L. T., & Silva, G. J. da. (2024). Educação de Jovens e adultos e prevenção das IST/AIDS em escolas indígenas do Pantanal Sul-mato-grossense, Brasil. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, 14(41). https://doi.org/10.61389/inter.v14i41.7612

Edição

Seção

Artigos Temáticos